Nicarágua entra na lista de países que violam os direitos humanos




Comissão Interamericana destacou uso excessivo e arbitrário da força policial e uso de grupos milicianos em repressão a manifestantes no país, além de obstrução de atendimento médico e detenções arbitrárias. Cuba e Venezuela também foram citadas em relatório. Polícia da Nicarágua reprime manifestantes durante protesto contra governo de Daniel Ortega
Maynor Valenzuela/AFP
A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) incluiu a Nicarágua na lista de países que violam os direitos humanos, ao lado da Venezuela e Cuba,de acordo com o relatório anual apresentado nesta quinta-feira (21), três meses depois da apresentação de denúncias feitas por um grupo de especialistas sobre a repressão violenta aos protestos contra o governo.
“A CIDH tem acompanhado com especial atenção a progressiva deterioração da situação dos direitos humanos na Nicarágua, em particular desde o início dos atos de violência ocorridos a partir de 18 de abril de 2018, como parte da repressão estatal aos protestos”, comunicou o organismo.
No relatório desta entidade autônoma da Organização dos Estados Americanos (OEA), Cuba e Venezuela continuam na relação de Estados que não respeitam os direitos humanos.
A dura repressão à onda de manifestações na Nicarágua, que começou como um movimento contra a reforma do sistema previdenciário e virou um protesto mais amplo contra o governo, deixou um saldo de 325 mortos, 2 mil feridos e 52 mil exilados, segundo entidades de direitos humanos.
A CIDH destacou “o uso excessivo e arbitrário da força policial, o uso de grupos milicianos ou grupos de choque com a aquiescência e tolerância das autoridades governamentais”.
Também denunciou a obstrução do atendimento médico aos manifestantes, detenções arbitrárias de jovens que participaram dos protestos, campanhas de difamação, medidas de censura e ameaças contra líderes de movimentos sociais.
A CIDH também apontou a “falta de diligência no início das investigações sobre os assassinatos”.
A entidade começou a monitorar o respeito aos direitos humanos na Nicarágua em junho do ano passado, quando criou uma comissão especial para o tema, e depois passou a apoiar as investigações das mortes.
O relatório ainda mostra que entre 18 de abril e 30 de maio de 2018, na Nicarágua “ocorreram condutas de um ataque generalizado e sistemático contra a população civil que, de acordo com o direito internacional, devem ser considerados crimes de lesa-humanidade”.
Agravamento na Venezuela
Em relação à Venezuela, a Comissão constatou que durante 2018 “agravaram as persistentes situações estruturais que afetam os direitos humanos da população venezuelana e que derivaram numa grave crise política, social e econômica”.
Policiais impedem avanço de manifestação contra Maduro em Caracas, na Venezuela
Carlos Jasso/Reuters
Para a CIDH atualmente “existe uma ausência do Estado de Direito”.
A Comissão indicou que o desenvolvimento das eleições presidenciais de maio e a prorrogação do estado de emergência agravaram ainda mais a já crítica situação institucional e denunciou “a falta de uma efetiva separação, independência e equilíbrio dos poderes estatais”.
Também apontou que “foram registrados novos e graves episódios de ataques, perseguição e prisão de políticos opositores, dissidentes, jornalistas, manifestantes”, entre outros.
Além disso, denunciou que continuam a ser registradas “mortes em protestos sociais, em um contexto de militarização da segurança”.
Também destacou que o desabastecimento e escassez de alimentos agravam a crise no país e provocam o deslocamento em massa de migrantes e refugiados do país.
A CIDH pediu ao governo da Venezuela que reverta a decisão de abandonar a OEA e que volte a aderir à Convenção Americana sobre Direitos Humanos.
Persistência das violações em Cuba
Durante 2018, a CIDH observou em Cuba a persistência das violações ao direito à liberdade, à segurança e à proteção contra a detenção arbitrária, e que não há garantias judiciais mínimas para atuação dos defensores dos direitos humanos, líderes sociais e políticos e jornalistas.
A CIDH citou a opinião da Secretaria Geral da OEA que “a eleição do presidente Díaz-Canel é uma ‘transição ilegítima’, classificando como ‘ditadura’ seu sistema de governo”.
A entidade também expressou preocupação “pela permanência da pena de morte como sanção em um número significativo de crimes no Cuba”.
Em relação à liberdade de expressão, a Comissão denunciou que “Cuba não experimentou mudanças substanciais” e manteve a repressão”.
A CIDH reiterou no documento o interesse de realizar sua primeira visita “in loco” a Cuba, para iniciar uma aproximação e um diálogo com o governo cubano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.