Coletes amarelos voltam a protestar na França após confrontos na semana anterior




Autoridades proibiram manifestações em certas áreas após tumulto; polícia de Paris informou que 31 pessoas foram presas e 15 foram multadas por estarem em área proibida. Coletes amarelos protestam em Paris neste sábado (23).
AFP
Os “coletes amarelos”, que protagonizam manifestações desde novembro na França, se reuniram em Paris e outras cidades francesas neste sábado (23) para mais uma rodada de manifestações – mesmo após autoridades proibirem os protestos em certas áreas.
As proibições foram anunciadas como um esforço para evitar a repetição dos tumultos da semana passada na capital. As autoridades proibiram os protestos na avenida Champs-Elysées e em bairros centrais de várias cidades, incluindo Bordeaux, Toulouse, Marselha e Nice, no sul, e Rouen, no oeste da França.
Policiais fazem um cordão durante protestos dos coletes amarelos em Nice, França, neste sábado (23).
AFP
A proibição acontece uma semana após confusões no 18° sábado de mobilização do grupo, que é contrário ao governo do presidente Emmanuel Macron. Durante os protestos, lojas foram destruídas e saqueadas, objetos foram queimados e manifestantes entraram em confronto com a polícia.
Ao meio dia (horário local), centenas de manifestantes se reuniram na praça Denfert-Rochereau, no sul de Paris, de onde planejavam marchar em direção ao centro turístico Montmartre, no norte.
Dezenas de outros estavam de forma pacífica na praça Trocadero, ao lado da Torre Eiffel. A Champs-Elysées estava quase vazia, exceto por uma enorme presença policial.
A polícia de Paris informou que 31 pessoas foram presas e 15 manifestantes foram multados por estarem na área proibida, de 2.322 controles nas ruas da capital, segundo a AP.
Tensão em Nice
Homem entra em confronto com a polícia durante protestos dos coletes amarelos em Nice, na França, neste sábado (23).
AFP
Em Nice, a polícia dispersou algumas centenas de manifestantes que se reuniram em uma praça central. A cidade foi colocada sob medidas de alta segurança, já que o presidente chinês, Xi Jinping, deveria passar a noite no domingo (24), como parte de uma visita de Estado à França.
Mulher protesta em meio à presença de policiais na cidade francesa de Nice, neste sábado (23).
AFP
O novo chefe de polícia de Paris, Didier Lallement, que assumiu o comando depois dos protestos da semana passada, disse que unidades policiais específicas foram criadas para reagir mais rapidamente a qualquer tipo de violência.
Cerca de 6 mil policiais estavam na capital e dois drones estão ajudando a monitorar as manifestações. As autoridades também enviaram soldados para proteger moradores e permitir que as forças policiais se concentrassem em manter a ordem durante os protestos.
Um policial revista manifestante que caiu no chão durante protestos dos coletes amarelos em Nice, após proibições pela polícia.
Claude Pari/AP
O presidente Emmanuel Macron rejeitou na sexta-feira as críticas de líderes da oposição sobre o envolvimento dos militares. “Aqueles que tentam assustar as pessoas ou se assustam estão errados”, disse em Bruxelas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.