BRETAS DE OLHO NO STF? Prisão de Temer foi “abusiva”, dizem advogados

Após Michel Temer (MDB) ter sua prisão preventiva revogada pelo desembargador do TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) Antonio Ivan Athié, a defesa do ex-presidente parabenizou a decisão de soltura e afirmou que ela mostra o “quão abusivo foi o decreto de prisão preventiva expedido”.

Além de Temer, foi determinada a libertação do ex-ministro Moreira Franco e de outros seis investigados que estavam presos por decisão do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pelas decisões de primeira instância da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Outros dois presos foram liberados no fim de semana.

- Publicidade -

Para reforçar o “abuso” por parte de Marcelo Bretas, a defesa de Temer utiliza um trecho da decisão do desembargador que diz que os indícios de crimes não são suficientes para determinar uma preventiva.

Ao que se tem, até o momento, são suposições de fatos antigos, apoiadas em afirmações do órgão acusatório. Todavia, mesmo que se admita existirem indícios que podem incriminar os envolvidos, não servem para justificar prisão preventiva
desembargador Antonio Ivan Athié

O comunicado é assinado por Eduardo Pizarro Carnelós, criminalista que integra a defesa do ex-presidente desde setembro de 2017.

A defesa diz que Temer e seus advogados “nunca deixaram de confiar no Poder Judiciário brasileiro”. Mas, ainda segundo a nota, esse fato “não se confunde com a ação isolada de alguns de seus membros [do Judiciário], os quais, infelizmente, usam a toga para agirem como justiceiros e, a pretexto de combaterem a corrupção, violam as mais comezinhas noções de Direito”.

CLICK POLÍTICA com informações de UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.