Baleia beluga encontrada na Noruega com ‘coleira’ pode ter ligação com marinha russa




Biólogos acreditam que animal tenha escapado de uma unidade militar. Identificação dizia: ‘Equipamento de São Petersburgo’. Beluga, ou baleia-branca, é vista nadando com um aparato preso ao corpo, perto de um barco de pescadores na costa norte da Noruega
Joergen Ree Wiig/Norwegian Direcorate of Fisheries Sea Surveillance Unit via AP
Uma baleia beluga foi encontrada na Noruega usando uma espécie de “coleira” de identificação russa, na sexta-feira (26). Segundo a agência de notícia Associated Press (AP), os biólogos acreditam que o animal tenha escapado de uma unidade militar da Rússia.
Ainda de acordo com a AP, a “coleira” dizia “Equipamento de São Petersburgo” e tinha espaço para um câmera esportiva ser acoplada. Pescadores que avistaram a baleira conseguiram retirar a “coleira” do animal.
Os biólogos acreditam que ela tenha se aproximado dos barcos de pesca para pedir comida, já que no cativeiro é acostumada a ser alimentada.
Em entrevista à AP, o biólogo Audun Rikardsen, da Universidade da Noruega, disse que não existem estudos com belugas sendo realizados em universidades russas ou norueguesas. Ele acredita que a marinha russa tenha algum envolvimento com o animal.
Em entrevista à rede americana “CNN”, o biólogo marinho Jorgen Ree Wiig disse acreditar que a baleia veio da região de Murmansk, na Rússia, e foi treinada pela marinha russa. Segundo ele, a marinha russa é conhecida por usar belugas em operações militares como guardar bases navais, ajudar mergulhadores e encontrar equipamentos perdidos.
Identificação sugere que baleira estava em cativeiro na Rússia
Joergen Ree Wiig/Norwegian Direcorate of Fisheries Sea Surveillance Unit via AP
Animais em cativeiro
No dia 8 de abril, autoridades russas prometeram libertar dezenas de orcas e belugas capturadas no extremo oriente russo e que estavam amontoadas em tanques desde o verão, uma situação que comoveu ambientalistas e gerou abaixo-assinado endossado pelo ator Leonardo DiCaprio.
Eram 11 orcas e 93 belugas, cuja situação expôs o comércio destes mamíferos marinhos para os parques de diversões aquáticos.
Segundo a agência de notícias AFP, sob uma crescente pressão internacional, o governador da região de Sakhalin, Oleg Kojemiako, anunciou que “tomou a decisão de libertar os animais na natureza” depois de ter se reunido com o americano Charles Vinick, um defensor dos animais, e com o filho do famoso explorador francês Jacques-Yves Cousteau, Jean-Michel.
A Rússia é o único país onde estes mamíferos podem ser capturados no oceano para “fins pedagógicos”, o que constitui uma lacuna jurídica que os traficantes utilizam para vender animais no exterior, especialmente na China.
Ainda não se sabe se a beluga encontrada na Noruega teria relação com a libertação dos demais animais.
Pescadores se aproximam de beluga para tentar retirar “coleira”
Joergen Ree Wiig/Norwegian Direcorate of Fisheries Sea Surveillance Unit via AP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.