Morador do DF é preso em Paris por crimes cibernéticos; operação envolveu PF e FBI




Homem é cidadão israelense e tem casa no Lago Sul. Segundo investigação, ele gerenciava plataforma na deep web, área ‘escondida’ da internet. Na casa do suspeito, policiais encontraram R$ 200 mil em espécie.
Polícia Federal/Reprodução
Um cidadão israelense, morador de Brasília, foi preso nesta segunda-feira (6) acusado de praticar crimes cibernéticos. Segundo as investigações, ele gerenciava uma plataforma na deep web – parte da internet de acesso restrito ou “escondida” – onde eram cometidas diversas transações criminosas.
O homem, que também responde por pornografia infantil, foi alvo da Operação Dark Web. A ação foi realizada em conjunto pela Polícia Federal e o FBI, agência de segurança dos Estados Unidos. A prisão ocorreu no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, na França.
Enquanto o homem era detido, policiais fizeram buscas na casa dele, no Lago Sul, região nobre de Brasília. No local, os agentes encontraram R$ 200 mil em espécie (moeda estrangeira e reais) e dispositivos usados no armazenamento de criptomoedas.
Casa onde o suspeito morava, no Lago Sul.
Polícia Federal/Reprodução
Investigações
Segundo as investigações, o israelense gerenciava um site que reunia os principais mercados ilegais da deep web.
A polícia afirma que a página era utilizada para educar usuários sobre compra de produtos e drogas online, oferecendo endereços e tutoriais com informações sobre como navegar anonimamente e evitar a ação da polícia.
O acusado seria remunerado por cada transação realizada pelo site, como a distribuição de drogas, medicamentos ilegais, ferramentas hacker, dados bancários, entre outras. As investigações apontaram ainda que o israelense recebeu taxas de transações feitas por cerca de 15 mil usuários.
A ação conjunta também apreendeu o domínio na internet utilizado nas práticas criminosas, para evitar que ele possa ser utilizado com o mesmo fim novamente.
A casa do suspeito já havia sido alvo de buscas em outubro de 2018, quando ele foi acusado de pornografia infantil. À ocasião, a Polícia Federal apreendeu R$ 1 milhão em espécie (moeda estrangeira e reais) no local, além de notebooks e smartphones.
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.