Governo de Hong Kong promete avançar com projeto de extradições à China apesar de grande protesto




Lei permitira que suspeitos sejam extraditados para a China continental. Oposição vê ameaça à independência jurídica do território. Milhares protestam contra lei de extradição em Hong Kong
A líder de Hong Kong, Carrie Lam, prometeu nesta segunda-feira (10) levar adiante o projeto legislativo para permitir que suspeitos sejam extraditados à China continental, um dia depois do maior protesto na cidade desde que foi devolvida pelos britânicos aos chineses, em 1997.
Um batalhão de choque da polícia cercou o Parlamento de Hong Kong e reagiu a um grupo violento em meio a centenas de manifestantes que participaram de uma marcha pacífica de domingo, que organizadores disseram ter atraído mais de 1 milhão de pessoas, ou uma de cada sete da cidade.
“Não acho que é uma decisão apropriada para nós agora recuar neste projeto de lei por causa dos objetivos muito importantes que este projeto de lei pretende cumprir”, disse Carrie, com expressão contida, a repórteres, flanqueada por seguranças e juízes.
“Muito embora iremos continuar a fazer a comunicação e a explicação, existe pouco mérito a ser obtido em adiar o projeto de lei. Isso só causará mais ansiedade e polarização na sociedade”.
Os protestos mergulharam Hong Kong em uma crise política, como os meses de manifestações pró-democracia “Occupy” fizeram em 2014, aumentando a pressão sobre o governo de Carrie e seus apoiadores oficiais de Pequim. Manifestantes gritavam pelas ruas da cidade no domingo pedindo sua renúncia. “Extradite a si mesma, Carrie!”, dizia um cartaz na manifestação.
Organizadores estimam que 1 milhão de pessoas participaram do protesto em Hong Kong
Tyrone Siu/Reuters
O projeto de lei desencadeou uma oposição anormalmente ampla, de empresários e advogados normalmente pró-establishment a estudantes, figuras pró-democracia e grupos religiosos que temem a erosão da autonomia legal de Hong Kong e a dificuldade de obter até mesmo proteções judiciais básicas na China continental.
O Reino Unido devolveu Hong Kong à China mediante a fórmula “um país, dois sistemas”, com garantias de que sua autonomia e liberdades, incluindo um sistema de justiça independente, seriam protegidas.
Mas muitos acusam a China de uma ampla interferência em muitos setores, como impedir reformas democráticas, limitar as liberdades, interferir em eleições locais e ainda pelo desaparecimento de cinco vendedores de livros sediados em Hong Kong, a partir de 2015, que se especializavam em obras críticas dos líderes chineses. Mais tarde todos ressurgiram detidos na China, e alguns apareceram em confissões aparentemente forçadas transmitidas em Hong Kong.
No mês passado, depois de ouvir o empresariado e outros grupos, Carrie disse que só suspeitos de crimes mais sérios com uma pena mínima de ao menos sete anos serão extraditados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.