‘Ele tinha vontade de devorar o mundo’, diz jovem que morou com estudante da UFRGS morto na China




Morte do intercambista Leonardo Cláudio da Rosa, de 23 anos, foi comunicada pela Universidade e pelo Itamaraty. UFRGS aguarda informações oficiais de autoridades para confirmar como o estudante teria morrido. Estudante do Rio Grande do Sul é encontrado morto na China
Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), colegas e amigos ainda se perguntam o que realmente aconteceu com o estudante gaúcho Leonardo Cláudio da Rosa, de 23 anos, encontrado morto em Chongqing, na China. A morte dele foi confirmada na segunda-feira (15) pela UFRGS e o Itamaraty.
O aluno do curso de Letras da UFRGS fazia um intercâmbio em Pequim desde agosto de 2018. Ele viajou mais de 18 mil km para estudar chinês. O ex-colega de quarto de Leonardo, o colombiano Jaime Soares, conta que o jovem estava empolgado com a viagem e que fez uma vaquinha online, rifas e até um brechó para ajudar com os gastos extras.
“Ele tinha vontade de devorar o mundo, sabe? A cabeça dele era muito inteligente. Cheio de sonhos”, define Jaime.
“O menino que falava cinco línguas, que falava muito bem. Ele foi para a China porque ele ganhou uma bolsa, porque ele era bom nos estudos de uma língua que é supercomplicada”, lembra o amigo, que morou com Leonardo na Casa do Estudante, em Porto Alegre.
Estudante colombiano que dividiu quarto com Leonardo em Porto Alegre diz que colega era ‘inteligente e cheio de sonhos’
Reprodução/RBS TV
Natural de Caxias do Sul, Leonardo estudava língua e literatura chinesas dentro de um programa gerenciado pelo Instituto Confúcio na UFRGS, com bolsa oferecida pela Communication University of China (CUC) e pela Hanban, fundação vinculada ao Ministério da Educação da China.
A causa da morte ainda é um mistério. Segundo amigos do estudante, na última semana, ele tinha ido viajar com um amigo brasileiro para a cidade de Chongqing e, lá, teria marcado um encontro com outra pessoa.
Leonardo morava em Pequim, mas havia viajado para Chongqing, onde foi encontrado morto
Reprodução/RBS TV
A universidade foi informada sobre a morte do estudante a partir de um e-mail de duas meninas que também são intercambistas na China.
“Essas alunas dizem que ele foi vítima de um crime e, especificamente, um crime homofóbico. E a informação que essas mesmas meninas fornecem é a hipótese que a polícia chinesa está considerando, que seja suicídio”, relata o diretor do Instituto de Letras da UFRGS, Sérgio Menuzzi.
Segundo o diretor, as informações ainda estão desencontradas. A universidade aguarda, agora, um comunicado oficial da Embaixada Brasileira na China para confirmar como o estudante teria morrido.
Leonardo teve a morte confirmada pela universidade e pelo Itamaray nesta segunda-feira (15)
Gustavo Diehl/UFRGS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.