Merkel se solidariza com deputadas atacadas por Trump




O presidente dos EUA disse que as parlamentares deveriam voltar a seus países; para Merkel, força dos EUA está na diversidade. Angela Merkel na quarta (17), dia de seu aniversário de 65 anos
Fabrizio Bensch/Reuters
Os ataques de Donald Trump contra quatro deputadas democratas “minam a força dos Estados Unidos”, afirmou a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel.
Ela se solidarizou com as congressistas durante uma entrevista coletiva nesta sexta-feira (19).
“Fico do lado oposto a estas declarações de forma decidida e me solidarizo com as mulheres atacadas”, declarou a alemã.
Merkel argumentou que a força dos EUA se baseia na sua diversidade, nas contribuições “de pessoas de muitas diferentes nacionalidades”.
Trump pediu no domingo (14) às deputadas que retornassem a seus países de origem, declaração pela qual foi acusado de racismo.
Trump criticou o ‘esquadrão’
Embora não tenha mencionado nomes, Trump parecia estar se referindo a um grupo conhecido como “o esquadrão”, que tem sido muito crítico ao presidente e também da atual liderança democrata da Câmara, entre elas:
Alexandria Ocasio-Cortez, nascida nos Estados Unidos, de origem latina;
Ayanna Pressley, nascida nos Estados Unidos, de orgiem africana;
Rashida Tlaib, nascida nos Estados Unidos, de origem palestina;
Ilhan Omar, nascida na Somália.
Quem são as 4 jovens congressistas que Trump atacou com mensagens consideradas racistas
O presidente dos EUA escreveu duas mensagens em uma rede social no domingo (14).
Jovens congressistas são especialmente críticas das políticas de Trump
Reuters/Erin Scott
“É tão interessante ver parlamentares democratas ‘progressivas’ que originalmente vieram de países com governos que são uma catástrofe total e completa, os piores, mais corruptos e ineptos do mundo inteiro (se é que têm governo funcional), agora, dizendo de forma alta e viciosa que o povo dos EUA, a maior e mais poderosa nação na Terra, como o governo deve ser gerenciado. Por que elas não voltam e ajudam a consertar os lugares completamente arrebentados e infestados de crime de onde elas vieram. Então voltem a nos mostrem como…”
As quatro parlamentares fizeram uma declaração em conjunto.
‘Mande-a de volta’, gritaram republicanos
Trump, então, respondeu durante um comício.
Durante o evento na Carolina do Norte na quarta-feira (17), o presidente acusou Ilhan Omar, que nasceu na Somália, de minimizar os atentados terroristas de 11 de Setembro e de “rir de norte-americanos que alertavam sobre a Al-Qaeda”.
Em seguida, os apoiadores do republicano gritaram, em coro: “Mande-a de volta”.
Posteriormente, ele afirmou ter se sentido mal com o gritos durante o comício.
Em entrevista coletiva na Casa Branca, Trump disse: “Eu diria que não fiquei feliz com aquilo. Eu discordo daquilo. Mas, de novo, não fui eu quem gritou – foram eles. E eu discordei”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.