Sob suspeição e acusada de não ter mais autonomia, PF de Moro investe contra Pimentel do PT

A Polícia Federal, comandada pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, cumpre nesta segunda-feira (12) dois mandados de busca e apreensão na casa e no escritório do ex-governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT.

De acordo com a PF, a operação é um desdobramento da Operação Acrônimo, sobre suspeita de delitos eleitorais, em que empresas de consultoria teriam simulado a prestação de serviços para o recebimento de vantagens ilícitas em montante superior a R$ 3 milhões. As informações são da Globo Minas.

- Publicidade -

Advogado de Pimentel, Carlos Eugênio Pacelli, diz que a ação causa estranhamento, uma vez que a Operação Acrônimo “já adotou todas as medidas possíveis” e se refere a fatos de 2014. “Estamos contribuindo, colocando tudo à disposição, apesar do excesso que carateriza essa busca e apreensão”, alegou a defesa.

Em setembro do ano passado, Pimentel foi absolvido pelo TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) por 7 votos a 0 da acusação de caixa 2 referente à eleição de 2014.

A ação revela mais um caso em que Moro usa agora de seu cargo no governo Bolsonaro para continuar a perseguição contra o partido do ex-presidente Lula.

CLICK POLÍTICA com informações de Revista Fórum

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.