Espanha oferece porto para navio de ONG desembarcar migrantes regastados no Mediterrâneo após 17 dias no mar




Presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez disse neste domingo que autorizou preparação de um porto em Gibraltar; ONG diz que situação do navio, próximo à ilha italiana de Lampedusa, é de ‘emergência’ e, por isso, não pode aceitar a oferta. Pedro Sánchez, presidente do governo da Espanha, ofereceu o porto de Algeciras para o desembarque do navio da ONG Proactiva Open Arms, que há 17 dias é impedir de atracar na ilha italiana de Lampedusa
Reprodução/Twitter
O governo espanhol anunciou neste domingo (18) que oferece um porto na Andaluzia para que o navio da ONG espanhola Proactiva Open Arms possa desembarcar dezenas de migrantes africanos resgatados no Mar Mediterrâneo. A medida foi tomada depois do agravamento da situação no barco, que aguarda há 17 dias a permissão da Itália para atracar em um de seus portos.
Matteo Salvini, ministro de Interior italiano, se recusou a permitir o desembarque em território italiano, mesmo depois de, na sexta-feira (16), a Procuradoria da cidade de Agrigento (na ilha italiana da Sicília) ter aberto uma investigação pelo suposto crime de sequestro de pessoas e abuso de autoridade – não dirigido contra ninguém concretamente – em relação ao estado do navio.
Segundo a agência de notícias Reuters, porém, a porta-voz da ONG afirmou que o navio não pode aceitar a oferta espanhola por causa da situação de emergência a bordo.
Navio espanhol Open Arms carrega dezenas de migrantes
Valerio Nicolosi/AP Photo
O motivo é que o porto oferecido pelo presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, é o de Algeciras, localizado em Gibraltar e bastante longe de onde está o navio. O Open Arms fez o resgate próximo à ilha italiana de Lampedusa.
O fundador da ONG, Óscar Camps, que está a bordo do Open Arms, publicou em uma rede social neste domingo que o navio está a 950 milhas náuticas de distância do porto de Algeciras.
“Depois de 26 dias de missão, 17 de espera com 134 pessoas a bordo, uma resolução judicial a favor e seis países dispostos a acolher [os refugiados, depois do desembarque na Itália], querem que naveguemos 950 milhas, uns 5 dias mais, até Algeciras, o porto mais distante do Mediterrâneo, com uma situação insustentável a bordo?”, questionou ele.
Óscar Camps, fundados da ONG Proactiva Open Arms, diz que porto oferecido pela Espanha para desembarque dos migrantes é o mais distante do Mediterrâneo
Reprodução/Twitter
Reação da Itália
Salvini, por sua vez, comemorou a decisão do governo espanhol de intervir na situação. “Espanha abriu seus portos aos migrantes da ONG Open Arms. Que bom! Quem vencer ganha”, escreveu ele neste domingo. O ministro também publicou um vídeo no qual se diz orgulhoso de “ter mantido a cabeça erguida” no impasse de mais de duas semanas com a missão humanitária.
Na última quarta (14), um tribunal na Itália suspendeu uma medida que proibia a entrada do navio em águas italianas, já que Salvini havia proibido que o navio adentrasse águas nacionais. Após a decisão do tribunal, o político prometeu recorrer e assinar nova proibição.
Na quinta (15), seis países da União Europeia (UE) disseram estar dispostos a acolher migrantes do Open Arms.
Richard Gere troca farpas com ministro italiano Matteo Salvini sobre imigração
Celebridades como o ator Richard Gere também entraram na campanha para convencer a Itália a permitir o desembarque.
No sábado (17), Salvini autorizou o desembarque de 27 adolescentes com menos de 18 anos que iniciaram a travessia marítima da África até a Europa desacompanhados de um adulto responsável. Com isso, o navio conta agora com duas crianças – acompanhadas de seus pais – e dezenas de adultos.
Migrantes menores de idade desacompanhados são desembarcados do navio humanitário Open Arms pela guarda costeira italiana, na ilha italiana de Lampedusa
Francisco Gentico/AP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui