Ideia de Trump de comprar a Groenlândia é ‘uma discussão absurda’, diz primeira-ministra da Dinamarca




Mette Frederiksen fez a declaração no domingo (18) ao visitar a ilha, que é um território autônomo dinamarquês. Outros ministros do país também já haviam se pronunciado contra a intenção do presidente americano. A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen.
Tobias Schwarz / AFP
A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, declarou no domingo (18) ao visitar a Groenlândia que a ideia do presidente americano, Donald Trump, de comprar a ilha é “uma discussão absurda”. Outros ministros do país também já haviam criticado a intenção de Trump.
“A Groenlândia não está à venda. A Groenlândia não é dinamarquesa. A Groenlândia pertence à Groenlândia. Espero sinceramente que essa proposta não seja feita a sério”, disse Frederiksen ao jornal Sermitsiaq durante a visita.
Frederiksen afirmou também que o Ártico, com recursos que a Rússia e outros poderiam explorar para obter ganhos comerciais, “está se tornando cada vez mais importante para toda a comunidade mundial”.
O degelo na ilha poderia revelar recursos petrolíferos e minerais na Groenlândia que, se explorados, poderiam mudar o futuro do lugar.
Não é prioridade, declarou Trump
Casas iluminadas em Tasiilaq, na Groenlândia.
Felipe Dana/AP
O próprio Trump voltou a tocar no assunto também no domingo (18), quando afirmou que a ideia não é prioridade no governo dele. O presidente deve visitar a Dinamarca nos dias 2 e 3 de setembro, como parte de uma viagem à Europa.
“Estrategicamente, é interessante. E nós estaríamos interessados. Vamos conversar com eles um pouco”, disse Trump, acrescentando: “Não é o número um na lista de prioridades, posso lhe dizer isso”.
A Dinamarca colonizou a Groenlândia no século XVIII, e, hoje, o território de 2 milhões de km² abriga cerca de 57 mil pessoas, a maioria pertencente à comunidade inuit. A ilha tem autonomia sobre seus assuntos domésticos, e o país nórdico é responsável pela defesa e política externa do lugar.
Em 1917, o país vendeu as então ilhas dinamarquesas das Índias Ocidentais por US$ 25 milhões para os americanos, que as renomearam como Ilhas Virgens dos Estados Unidos.
Também não seria a primeira vez que um líder americano tentaria comprar a maior ilha do mundo. Em 1946, os EUA propuseram pagar à Dinamarca US$ 100 milhões para comprar a Groenlândia após flertar com a idéia de trocar terras no Alasca por partes estratégicas da ilha do Ártico.
Sob um acordo de 1951, a Dinamarca permitiu que os EUA construíssem bases e estações de radar na Groenlândia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.