Casa Branca responde Taylor Swift após crítica no VMA




Em seu discurso após vencer um dos prêmios, cantora afirmou que segue sem retorno sobre sua petição pela ‘Lei da Igualdade’, que já tem meio milhão de assinaturas, o que seria suficiente para obter uma resposta do governo. Taylor Swift recebe prêmio de Clipe do Ano no VMA 2019 por “You Need to Calm Down”
Matt Sayles/Invision/AP
A Casa Branca respondeu Taylor Swift após a cantora fazer uma crítica durante o VMA 2019, que aconteceu na noite desta segunda-feira (26). Durante seu discurso de agradecimento a um dos prêmios recebidos por seu trabalho no clipe “You Need to Calm Down”, Taylor relembrou a petição sobre a “Lei da Igualdade” e afirmou que “basicamente, todos merecemos direitos iguais perante a lei”.
Ao final do clipe lançado em junho de 2019, Taylor deixa uma mensagem pedindo por assinaturas e, segundo a cantora informou em seu discurso, já reuniu meio milhão de assinaturas, o que seria suficiente para ter um retorno da Casa Branca.
“Nós merecemos direitos iguais sob a lei. Quero agradecer a todos que assinaram a petição porque tem meio milhão de assinaturas, o que representa cinco vezes a quantia necessária para garantir uma resposta da Casa Branca”. Cercada do elenco que participou com ela no clipe, Taylor ainda olhou para o relógio no pulso, mostrando que segue esperando uma resposta.
John Travolta confuso, aparição surpresa de Miley Cyrus e ausência de Ariana Grande marcam VMA 2019
Segundo informações da revista People, a administração do presidente Barack Obama tinha uma política de resposta para um montante de assinaturas específico, que é o que se referia Taylor, mas Donald Trump não deu continuidade a isso.
Nesta terça-feira (27), um dia após a premiação, a secretária de imprensa da Casa Branca Judd Deere respondeu Taylor dizendo que a “Administração Trump é para direitos iguais, mas contra a lei da igualdade”.
“A Administração Trump se opõe absolutamente à discriminação de qualquer tipo e apoia o tratamento igualitário para todos; no entanto, o projeto de lei aprovado pela Câmara em sua forma atual está cheia de pílulas de veneno que ameaçam minar os direitos parentais e da consciência”, informou Deere.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.