Marcha em memória das vítimas da ditadura no Chile termina em confronto com a polícia




Manifestação deste domingo (8) ocorreu dias antes de o golpe de Pinochet completar 46 anos. Manifestantes entraram em conflito com a polícia neste domingo (8), em Santiago, durante marcha que marcou os 46 anos do golpe que levou o general Augusto Pinochet ao poder no Chile
Martin Bernetti/AFP
Após 46 anos do golpe de Estado que instaurou a ditadura no Chile, a figura de Augusto Pinochet segue dividindo os chilenos. Neste domingo (8), uma grande marcha em memória de suas vítimas terminou em confrontos com a polícia.
Manifestantes encapuzados, com pedras e paus, entraram em confronto com agentes das forças especiais, que aguardaram o avanço da multidão pelo centro de Santiago até chegar ao memorial no Cemitério Geral. Ele é dedicado às mais de 3 mil vítimas – entre mortos e desaparecidos – da ditadura chilena (1973 – 1990), instaurada em 11 de setembro de 1973 após a queda de Salvador Allende.
A polícia prendeu vários manifestantes no local.
“Marchamos com a convicção de que no Chile ainda não há verdade ou justiça total”, disse Marco Barraza, membro do Partido Comunista chileno.
A marcha deste domingo começou na praça Los Heroes, no centro de Santiago, e avançou pacificamente por várias ruas em direção ao cemitério. Os manifestantes levaram cravos vermelhos e fotografias de parentes executados ou desaparecidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.