Guaidó aparece em fotos com supostos traficantes, e procuradoria da Venezuela abre investigação




‘Nós não pedimos ficha criminal antes de tirar fotos’, respondeu o autoproclamado presidente. Divulgação piora crise entre Venezuela e Colômbia. Juan Guaidó participa de comício em Caracas, na Venezuela, nesta sexta-feira (13)
Ivan Alvarado/Reuters
A procuradoria da Venezuela afirmou nesta sexta-feira (13) que vai abrir investigação contra Juan Guaidó após virem à tona fotos em que o autoproclamado presidente interino aparece junto a dois suspeitos de pertencerem a um grupo de tráfico de drogas da Colômbia.
As imagens foram divulgadas mais cedo pelo Ministério do Interior do regime de Nicolás Maduro, na televisão estatal. Veja abaixo:
Initial plugin text
Em resposta, Guaidó disse que os dois homens pediram para tirar a foto quando ele ultrapassou, em segredo, a fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. Isso ocorreu em fevereiro, quando a Justiça venezuelana – ligada ao chavismo – proibiu o líder oposicionista de deixar o país.
“Nós não pedimos a ficha criminal deles antes de tirar a foto”, ironizou Guaidó.
Crise na fronteira
Guaidó fez pronunciamento em fevereiro na cidade de Cúcuta, na Colômbia, fronteira com a Venezuela.
REUTERS/Marco Bello
O Ministro do Interior da Venezuela, Nestor Roverol, disse na televisão estatal que os dois homens são líderes de uma organização paramilitar colombiana chamada Rastrojos. O dirigente afirmou que enviaria as imagens para servirem de elemento de prova à procuradoria, que abriu investigação mais tarde.
Fontes policiais colombianas confirmaram que os homens fazem parte dos Rastrojos. Trata-se de um grupo formado por ex-paramilitares que participam de tráfico de drogas pelo país, inclusive ao longo da fronteira com a Venezuela.
Ponte Tienditas entre Cúcuta (Colômbia) e Ureña (Venezuela) foi bloqueada na terça-feira (5)
Colombian Migration Office / AFP
Guaidó entrou na Colômbia antes de uma tentativa liderada pelos Estados Unidos de enviar caminhões com ajuda humanitária à Venezuela através da fronteira na cidade de Cúcuta, em 23 de fevereiro.
O regime de Nicolás Maduro, porém, ordenou o fechamento da fronteira e mandou que os militares bloqueassem a entrada dos carregamentos.
Até então, não estava claro como Guaidó cruzou a fronteira. Porém, agora, é possível ver que ele participou de um show humanitário em Cúcuta, em 22 de fevereiro, com as mesmas roupas em que aparece na foto com os dois homens.
Maduro: ‘escândalo tremendo’
Nicolás Maduro durante reunião com autoridades do chavismo no Palácio de Miraflores, em Caracas, na segunda-feira (9)
HO/Venezuelan Presidency/AFP
Em discurso nesta sexta-feira, Nicolás Maduro sustentou que as fotos provam um “escândalo tremendo”. O chavista alega que as imagens mostram que Guaidó tem “uma aliança criminosa com uma quadrilha de traficantes de drogas”.
O presidente da Colômbia, Iván Duque – que apoia Guaidó –, minimizou a importância das imagens e elogiou o aliado. “Para além da discussão se há fotos ou não, se ele cumprimentou ou não um monte de gente, eu quero enfatizar quem ele é”, disse.
“Ele [Guaidó] é um titã, um herói lutando pela democracia de seu país”, elogiou Duque.
Guaidó assumiu a Presidência de maneira interina em janeiro, após denunciar o segundo mandato de Maduro como ilegítimo por vencer as eleições de maneira fraudulenta. A maioria dos países do Ocidente e da América Latina reconhece o oposicionista como o legítimo líder venezuelano, enquanto o chavista o acusa de ser um fantoche dos Estados Unidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.