BOMBA! Sociedade secreta de advogado com Lava Jato visava lucro de bilhões de reais

Procuradores da Lava Jato em Curitiba (PR) montaram uma espécie de sociedade com o advogado de acionistas minoritários da Petrobrás para os dois grupos ganharem dinheiro da estatal. De acordo com a última revelação do Intercept Brasil, em parceira com o El País, em 3 de maio de 2017 a procuradora de São Paulo Thaméa Danelon contou ao da capital paranense Deltan Dallagnol, que haviam solicitado a ela ajuda para escrever um pedido de impeachment de Gilmar Mendes, juiz do STF. A solicitação era de Modesto Carvalhosa, advogado de acionistas minoritários da Petrobrás. Respostas de Dallagnol à colega: “Sensacional Tamis”, “manda ver”, “apoiadíssima”.

De acordo com o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), os procuradores serão chamados para depor na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara. “Vamos ter notícia em breve, os procuradores do acordo vão ser chamados”, disse Barros em entrevista à Carta Capital.

- Publicidade -

Um ano e meio depois da conversa secreta, a força-tarefa da Lava Jato e os clientes de Carvalhosa teriam ganhos financeiros por causa do acordo feito entre a Petrobrás e a força-tarefa de Curitiba com autoridades americanas. A petroleira aceitou pagar uma multa de US$ 853 milhões para se livrar de processos nos Estados Unidos.

Conforme a proposta, 80% do valor total (US$ 682 milhões, ou R$ 2,7 bilhões em valores atuais), seria paga no Brasil, devido a um acerto do Ministério Público Federal (MPF) com os americanos. Dos quase US$ 700 milhões, metade iria para combate à corrupção e metade ficaria guardada para pagar acionistas que ganhassem ações judiciais contra a Petrobras.

Em 19 de março deste ano, o site especializado em temas jurídicos, o Conjur, escreveu que Carvalhosa e a Lava Jato eram “sócios”. “Eles são sócios no negócio de 2,5 bilhões de reais da Petrobras que pretendem empalmar com a criação de uma fundação administrada pelos procuradores da República de Curitiba”, disse o texto.

O Supremo Tribunal Federal barrou o acordo entre a Petrobrás e a Lava Jato.

Após uma reunião em maio e de outra em agosto entre o ministro do STf Alexandre Moraes, o MPF, órgãos do governo e a Câmara dos Deputados, ficou decidido que o dinheiro a ser pago pela Petrobrs aqui no Brasil será aplicado em educação (´R$ 1,3 bilhão) e na proteção da Amazônia (R$ 1,2 bilhão).

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.