Início Mundo Trump foca na base eleitoral do Cinturão da Ferrugem

Trump foca na base eleitoral do Cinturão da Ferrugem

por Portal Click Política




Decisão de presidente americano para restaurar tarifas a Brasil e Argentina segue cartilha protecionista e visa a segurar votos em quatro estados fundamentais para a sua vitória em 2016. Donald Trump fala a jornalistas no gramado da Casa Branca antes de partir para Londres, onde participará de reunião da Otan
Reuters/Jonathan Ernst
A mudança de rumo do presidente americano, suspendendo a isenção de tarifas de aço e alumínio, surpreende Brasil e Argentina, mas segue a cartilha protecionista que caracteriza o governo Donald Trump desde a sua posse, em janeiro de 2017, não importa qual seja a natureza do aliado externo.
A eleição bate à porta da Casa Branca, com o presidente às voltas com um processo de impeachment que se desenrola na Câmara dos Representantes, mas provavelmente emperrará no Senado, onde os republicanos têm a maioria. As denúncias de abuso de poder desgastam a imagem do presidente, mas basicamente não o ameaçam.
Ficou claro, então, pelas medidas anunciadas nesta manhã, que o foco de Trump está no eleitor do Cinturão da Ferrugem, que compreende estados do Nordeste, dos Grandes Lagos e do Meio-Oeste dos EUA. Mais especificamente os de quatro estados imprescindíveis para a sua vitória em 2016 — Pensilvânia, Ohio, Michigan e Wisconsin.
De janeiro a setembro deste ano, juntos, os quatro estados registraram perdas de 25 mil empregos na indústria estagnada de aço e carvão, setores que o presidente prometeu restaurar. É essa atividade que pressiona Trump e norteia sua agressiva política comercial na direção da reeleição de 2020.
Como observou o jornalista Paul Brandus, fundador do West Wing Reports, em artigo publicado no jornal “USA Today”, uma desaceleração econômica nesses estados do Cinturão da Ferrugem poderia condenar a campanha do presidente em 2020. Daí a presença persistente do presidente em comícios nesses redutos, onde destila a sua retórica mais agressiva.
Trump acusa Brasil e Argentina de manipularem a desvalorização de suas moedas, tornando o dólar mais forte e prejudicando, assim, os agricultores americanos. Aos olhos do governo americano, Argentina e Brasil beneficiaram-se da guerra comercial entre EUA e China, sobretudo, por minar as exportações americanas de soja.
Ao suspender a isenção de tarifas sobre o aço e o alumínio, concedida a aliados como Jair Bolsonaro e Mauricio Macri, que prestes a deixar o governo argentino, Trump se esforça para desviar a atenção do eleitor americano do assunto impeachment. Mas, sobretudo, ele precisa que seu mantra — Torne a América Grande Novamente — reverbere com mais firmeza em sua base eleitoral.

Deixe seu Comentário

Você também pode gostar

Deixe o Comentário

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência em anúncios, clique em aceitar para fechar esta janela. Aceitar