Início Mundo Fernández aumenta impostos sobre exportações agrícolas da Argentina

Fernández aumenta impostos sobre exportações agrícolas da Argentina

por Portal Click Política




Novo governo afirma que, por causa da desvalorização do peso frente ao dólar, precisou alterar o método de cobrança do tributo para vendas ao exterior. Alberto Fernández durante coletiva em 6 de dezembro
Agustin Marcarian/Reuters
O novo governo da Argentina, comandado por Alberto Fernández, decidiu neste sábado (14) aumentar os impostos sobre as exportações agrícolas, medida tomada em meio à crise econômica que atravessa o país, um dos maiores produtores e exportadores de grãos e derivados do mundo.
Segundo a agência de notícias EFE, foram publicados um decreto e uma resolução que alteram a legislação de exportações do país, que o ex-presidente Maurício Macri lançou em setembro de 2018.
O texto diz que “levando em conta a grave situação enfrentada pelas finanças públicas, é necessário adotar medidas urgentes fiscal que permita atender, pelo menos parcialmente, às despesas orçamentárias com recursos genuínos”.
Até agora, as exportações agrícolas eram tributadas a uma taxa de 4 pesos por cada dólar exportado. Mas o executivo argentino alegou que, desde que esse esquema foi implementado, “houve uma deterioração do valor dos pesos em relação ao dólar.
Agora, o pagamento dessa taxa será eliminado e substituído por uma taxa de 9% para todos os produtos em geral.
Para alguns casos, como o da soja, o principal produto de exportação da Argentina, o aumento é significativo. Atualmente os exportadores do grão pagam 18% e, com a mudança, a taxa vai para 27%.
Neste sábado, o governo argentino anunciou outra medida econômica: o aumento no custo para a demissão de trabalhadores. Por 180 dias, quem for demitido por justa causa terá que receber o dobro da rescisão trabalhista.
Governo Kirchner também taxou o agro
Os impostos de exportação foram o foco de um grave conflito entre o setor rural e o governo argentino nos últimos anos de Cristina Kirchner (2007-2015) no poder e hoje vice-presidente do país.
Esse conflito incluiu protestos prolongados de empregadores rurais, com barreiras e greves para comercializar produtos agrícolas, que naquele ano tiveram um impacto total na atividade econômica do país.
Ao assumir em 2015, o ex-presidente Maurício Macri chegou a retirar a taxação, mas, em 2018, o governo argentino voltou a cobrar tributos da atividade agrícola.

Deixe seu Comentário

Você também pode gostar

Deixe o Comentário

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência em anúncios, clique em aceitar para fechar esta janela. Aceitar