França tem nova jornada mobilização nacional contra reforma da previdência




Movimento de contestação contra proposta do governo de alterar o sistema de aposentadorias entrou nesta terça-feira (17) em seu 13º dia. Manifestantes vão às ruas em Caen, na França, contra projeto do governo de reforma na previdência
Sameer Al-Doumy / AFP

Sem previsão de acordo entre governo e sindicatos, a França enfrenta uma nova jornada de mobilização contra a proposta de Emmanuel Macron de reforma da previdência nesta terça-feira (16). O movimento de contestação entrou em seu décimo-terceiro dia.
Segundo a Polícia, cerca de 615 mil pessoas participaram dos protestos desta tarde em toda a França. Só em Paris, foram 76 mil manifestantes.
Essa é a terceira a ser organizada desde 5 de dezembro, quando 800 mil pessoas foram às ruas em todo o país. Desde então, os franceses enfrentam problemas nos transportes. Na terça (10), os manifestantes fizeram novos protestos embora estivessem em menor número (339 mil).
Os sindicatos que representam trabalhadores ferroviários, professores, funcionários públicos, advogados e magistrados, médicos e profissionais da saúde foram chamados a ir às ruas protestar contra as mudanças do sistema previdenciário francês.
Reforma da previdência
Manifestantes protestam em Paris contra reforma no sistema de previdência da França nesta terça-feira (17)
Jean-Michel Belot/Reuters
Macron promete colocar em prática uma das suas principais promessas de campanha que é suprimir os 42 regimes especiais de aposentadoria que concedem privilégios a determinadas categorias profissionais.
Os sindicalistas pedem a retirada do projeto que, na prática, vai obrigar os franceses a trabalhar mais tempo, até 64 anos, para ter direito à pensão em sua integralidade. Atualmente, os franceses podem se aposentar aos 62 anos (caso não tenha nenhum benefício previsto para sua categoria profissional).
Anunciada na segunda-feira (16), a demissão de Jean-Paul Delevoye, que arquitetou a reforma da previdência, não influencia a decisão do executivo francês de dar continuidade à aplicação das mudanças no sistema previdenciário, de acordo com a porta-voz do governo, Sibeth Ndiaye.
Confira o que pode mudar com a reforma da Previdência na França
Delevoye foi forçado a renunciar por suspeita de conflitos de interesse, pois não havia declarado 13 cargos que exerceu, alguns remunerados, simultaneamente ao cargo no governo — o que é proibido na França.

- Publicidade -

Previsão é de protestos e de paralisações na França nesta terça-feira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui