EUA acusam milícia iraquiana de ser financiada pelo Irã e querem classificar organização como terrorista




Secretário de Estado americano diz que AAH participou de 6 mil ataques contra forças americanas desde 2006. Mike Pompeo durante entrevista coletiva no dia 1 de janeiro de 2020
Tom Brenner/Reuters
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo anunciou nesta sexta-feira (3) a intenção de classificar como organização terrorista internacional a milícia Aas’ib Ahl al-Haq, conhecida pela sigla AAH.
O AAH atua como uma milícia no Iraque. Segundo o departamento de estado americano, o grupo teria realizado mais de 6 mil ataques contra forças dos Estados Unidos desde 2006.
Pompeo também acusou a AAH de ser financiada pela Guarda Revolucionária do Irã.
Qassem Soleimani era considerado o segundo homem mais importante do Irã
Um dos principais nomes da Guarda Revolucionária, o general Qassem Soleimani foi morto na noite desta quinta-feira, em um ataque com drone autorizado pelo presidente americano, Donald Trump em Bagdá, no Iraque.
Trump diz que ação foi para ‘parar uma guerra’
O que se sabe sobre o bombardeio ordenado por Trump
Quem era o general iraniano morto no Iraque
Outras medidas
Além da AAH ter sido classificada como organização terrorista, os nomes dos líderes da organização, os irmãos Qays e Laith al-Khazali, devem ser incluídos em uma lista de terroristas internacionais.
“O AAH e seus líderes são procuradores violentos da República Islâmica do Irã”, disse o secretário de estado, em nota. “Atuando em nome de seus senhores em Teerã, eles usam violência e terror para promover os esforços do regime iraniano de minar a soberania iraquiana”, completou.
Com essa designação, os Estados Unidos buscam enfraquecer financeiramente a instituição, por meio do bloqueio de todas as propriedades e negócios da AAH e dos irmãos al-Khazali nos EUA, bem como a proibição de qualquer transação com cidadãos e empresas do país.
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui