Incêndios florestais de origem natural se espalham pela Austrália; Entenda as causas




Ventos fortes, temperaturas elevadas e uma vegetação muito seca são as principais causas. Queimadas devastaram mais de três milhões de hectares no país e mataram 10 pessoas desde setembro. Incêndio florestal atinge Bundoora, em Vitória, na Austrália, no dia 30 de dezembro.
Australian Broadcasting Corporation, Channel 7, Channel 9 via AP
A Austrália vive um dos piores incêndios florestais dos últimos anos, desde setembro de 2019. O fenômeno é natural e é causado pela combinação de temperaturas superiores a 40º C e uma quantidade insuficiente de chuva, que deixam a vegetação extremamente seca. Além disso, os ventos fortes que são típicos dessa época do ano agravam a situação, espalhando as chamas por vários quilômetros.
Esse fenômeno natural das queimadas ocorre todos os anos na Austrália, entre o final da primavera, no mês de novembro, e início do verão, no mês de dezembro. Porém, em 2019, os incêndios começaram antes do previsto, em setembro, e mais violentos. A explicação está nas temperaturas, mais quentes que o comum, superiores a 44º C.
No dia 21 de dezembro, a primeira-ministra do estado de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, afirmou que seria impossível controlar os incêndios na localidade “até que as chuvas comecem”. Nova Gales do Sul é o estado mais populoso do país e concentra 70% dos focos de incêndio.
Incêndios na Austrália devastaram três milhões de hectares desde setembro
Por causa da condições climáticas e do solo seco, Berejiklian explicou que “qualquer foco de incêndio ativo pode se tornar muito perigoso rapidamente”. E a situação em Nova Gales do Sul deve piorar neste início de 2020, já que as temperaturas podem chegar a 47º C.
Emergência de saúde pública
Moradores tentam apagar incêndio em Hillsville, cerca de 350 km ao norte de Sydney, no dia 12 de dezembro.
Peter Parks / AFP
Segundo a agência de notícias France Press, 10 pessoas morreram em decorrência dos incêndios desde setembro de 2019.
Mais de 460 mil hectares foram destruídos somente no estado de Nova Gales do Sul, onde está localizada Sydney, a maior cidade da Austrália, com 5,2 milhões de habitantes. O local está asfixiado pela fumaça dos incêndios que ardem ao norte, ao sul e a oeste. Este ano, chegou a ser considerado cancelar a tradicional queima de fogos que ocorre todos os anos no Reveillon na cidade por causa dos incêndios.
Centenas de pessoas são resgatadas de praias da Austrália em meio aos incêndios florestais
Nas últimas semanas, médicos veem advertindo para um estado de “emergência de saúde pública” em consequência da fumaça tóxica em Sydney. “Todos os habitantes de Nova Gales do Sul enfrentam emanações prolongadas de fumaça e, como nunca vivenciamos isto antes, não sabemos o que vai acontecer”, declarou à AFP Kim Loo, membro da ONG Médicos pelo Meio Ambiente.
“As pessoas de mais idade, as crianças e aquelas que trabalham ao ar livre correm um risco especial”, completou, antes de destacar que os serviços médicos não estão preparados para esta situação.
Os hospitais estão lotados de pacientes que reclamam de problemas respiratórios ou cansaço, consequência das temperaturas elevadas.
Centenas de pessoas foram forçadas a deixar suas casas – algumas delas pela segunda vez em uma mesma semana. Muitas casas foram queimadas. A fauna do país também tem sido severamente atingida.
Os incêndios florestais australianos também aumentam a preocupação com o aquecimento global.
Veja também:
Austrália registra mais de 100 incêndios em diferentes regiões do país
Austrália registra mais de 100 incêndios em diferentes regiões do país
Estado de Victoria, na Austrália, declara situação de desastre por causa dos incêndios
Estado de Victoria, na Austrália, declara situação de desastre por causa dos incêndios

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.