Presidente do Iraque condena ataque dos EUA que matou general do Irã e pede moderação; veja repercussão




Qassem Soleimani era um dos homens mais poderosos do Irã. Presidente do Iraque condena ataque e pede moderação de todas as partes. Ataque aéreo dos EUA em Bagdá mata chefe da Guarda Revolucionária Iraniana
O presidente do Iraque, Barham Salih, condenou na sexta-feira (3) o ataque aéreo dos Estados Unidos que matou em Bagdá o general iraniano Qassem Soleimani, e pediu moderação de todas as partes.
Em comunicado, o presidente iraquiano disse que o Iraque deve colocar seu interesse nacional em primeiro lugar e evitar as tragédias de um conflito armado que afeta o país ao longo de quatro décadas, disse ele em comunicado.
Qassem Soleimani: quem era o general iraniano e qual foi sua importância no Oriente Médio
China
A China expressou sua “preocupação” e pediu “calma”. “Pedimos a todas as partes envolvidas, principalmente aos Estados Unidos, que mantenham a calma e exercitem auto-controle para evitar novas tensões”, disse um porta-voz da diplomacia, Geng Shuang.
China condena ataque dos EUA que matou general iraniano Qassem Soleimani
Rússia
A Rússia alertou para as consequências da operação “perigosa” americana, que resultará no “aumento das tensões na região”, segundo o ministério das Relações Exteriores russo.
Para o presidente Vladimir Putin, o assassinato ameaça “seriamente agravar a situação” no Oriente Médio.
Israel
O governo israelense colocou as Forças Armadas em alerta máximo nesta sexta-feira (3), mas, até agora, não se pronunciou sobre o ataque.
O silêncio sobre o ataque dos integrantes do gabinete de segurança de Benjamin Netanyahu foi interpretado pela mídia israelense como uma tentativa de impedir retaliação de representantes e aliados do Irã na região. Isso inclui o Hezbollah, movimento libanês apoiado por Teerã, e os grupos militantes palestinos Hamas e Jihad Islâmica, em Gaza.
Aumenta na Europa a preocupação com um possível conflito após o ataque dos EUA
Reino Unido
O ministro das Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, apelou a “todas as partes à desescalada”.
“Sempre reconhecemos a ameaça agressiva da força iraniana Al-Qods liderada por Qassem Soleimani. Após sua morte, pedimos a todas as partes que diminuam a escala. Outro conflito não é de forma alguma do nosso interesse”, declarou o chefe da diplomacia britânica.
França e Holanda
Paris também considerou que “a escalada militar é sempre perigosa”. “Nosso papel não é ficar de um lado ou de outro, é falar com todos”, disse a secretária de Estado para os Assuntos Europeus, Amélie de Montchalin, assegurando que Paris procura criar “as condições para a paz em qualquer caso para a estabilidade”.
A Holanda também alertou seus cidadãos que moram no Oriente Médio.
EUA
O Pentágono confirmou o bombardeio e disse que a ordem partiu do presidente Donald Trump. Em nota, o órgão culpou Soleimani por mortes de americanos no Oriente Médio e afirmou que o objetivo foi deter planos de futuros ataques iranianos.
Donald Trump, que estava na Flórida no momento do ataque, postou uma bandeira americana em uma rede social, mas não falou sobre o episódio.
A embaixada dos EUA no Iraque pediu para os seus cidadãos deixarem o país por temer represálias.
Líbano
O líder do movimento xiita libanês Hezbollah, um grande aliado do Irã, prometeu “a justa punição” aos “assassinos criminosos” responsáveis pela morte do general iraniano.
ONU
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, estimou que “o mundo não pode permitir uma nova guerra no Golfo”, e apelou “aos líderes a fazerem prova de máxima contenção” neste momento de tensões.
União Europeia
O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considerou que o “ciclo de violência, de provocações e de represálias deve cessar” e que “uma escalada deve ser evitada a todo custo”.
Iêmen
Os rebeldes iemenitas huthis, apoiados por Teerã, apelaram, por meio da voz de Mohammed Ali al-Huthi, uma autoridade da direção política rebelde, a “represálias rápidas e diretas”.
Arábia Saudita
País pediu autocontrole para evitar mais violência depois do ataque dos EUA. O ministro de Relações Exteriores publicou uma declaração em que afirma que a comunidade internacional precisa atender suas responsabilidades para garantir a segurança na região.
Irã
O aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã.
Morteza Nikoubazl/Reuters
O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ameaçou “vingar” a morte de Soleimani e decretou três dias de luto nacional.
“O martírio é a recompensa por seu trabalho incansável durante todos esses anos (…) se Deus quiser, seu trabalho e seu caminho não irão parar por aí, e uma vingança implacável aguarda os criminosos que encheram suas mãos com seu sangue e o de outros mártires”, disse o aiatolá Khamenei em sua conta no Twitter.
Segundo Khamenei, a morte de Soleimani aumenta a motivação da resistência contra os Estados Unidos e Israel. “Todos os inimigos devem saber que a jihad de resistência continuará com uma motivação dobrada, e uma vitória definitiva aguarda os combatentes na guerra santa”, disse Khamenei em comunicado divulgado pela TV.
Já o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que agora o país estará mais determinado a resistir aos EUA e também falou em vingança. “O martírio de Soleimani tornará o Irã mais decisivo para resistir ao expansionismo americano e defender nossos valores islâmicos. Sem dúvida, o Irã e outros países que buscam a liberdade na região se vingarão”, afirmou Rouhani.
Foto mostra veículo em chamas após ataque contra o Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque
AI do Primeiro Ministro do Iraque via AP
O ataque
O bombardeio americano teve como alvo um comboio de veículos dentro do perímetro no Aeroporto Internacional de Bagdá e matou pelo menos sete pessoas, de acordo com fontes das forças de segurança iraquianas. Entre as vítimas, está Abu Mahdi al-Muhandis, chefe das Forças de Mobilização Popular do Iraque, milícia apoiada pelo Irã.
Os dois serão enterrados no sábado. Iraque e Irã decretaram três dias de luto.
A embaixada dos Estados Unidos em Bagdá recomendou a seus cidadãos que deixem o Iraque “imediatamente”.
Local onde general iraniano foi morto em Bagdá, no Iraque
Juliane Monteiro/ G1
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.