Carlos Ghosn é proibido de deixar o Líbano, dizem agências




Ex-presidente da aliança Nissan-Renault se refugiou em Beirute após fuga de Tóquio. Acusado de crimes financeiros, ele aguardava julgamento há mais de 1 ano no Japão. Justiça do Líbano proíbe executivo brasileiro Carlos Ghosn de deixar o país
A Justiça libanesa proibiu nesta quinta-feira (9) Carlos Ghosn de deixar o país após o ex-presidente da Nissan-Renault ser interrogado pelas autoridades locais, informaram as agências Reuters e France Presse, com base em declarações de fontes judiciais.
Fuga de Ghosn: o que se sabe até agora
Ainda não está claro por quais motivos Ghosn foi proibido de realizar viagens, mas uma segunda fonte judicial disse à France Presse que ele “permanecerá proibido de viajar até o recebimento de seu processo judicial do Japão”.
Na semana passada, o Líbano recebeu uma ordem de prisão da Interpol para Ghosn, mas o país não possui acordo de extradição com o Japão. As autoridades libanesas pediram à Justiça japonesa que enviem os arquivos sobre as acusações contra Ghosn, para que possam ser analisados.
Ghosn se refugiou em Beirute depois de uma fuga cinematográfica de Tóquio, onde estava em prisão domiciliar e aguardava julgamento há mais de 1 ano.
Detentor de nacionalidades francesa, libanesa e brasileira, ele é alvo de quatro acusações no Japão: duas por crimes financeiros e duas por abuso de confiança agravado.
Ghosn criticou autoridades japonesas
Na quarta, Ghosn falou pela primeira vez depois de escapar do Japão, mas se negou a revelar detalhes da fuga. Ele se defendeu das acusações e disse que esperava mais ajuda do governo brasileiro.
Em entrevista exclusiva ao jornalista Roberto D’Avila, da GloboNews, o brasileiro fez críticas à Justiça japonesa. “Eles souberam que eu saí tranquilamente da casa porque eles podiam saber exatamente onde eu fui”, disse o ex-presidente da Nissan-Renault.
O governo japonês, por meio de nota assinada pela Ministra da Justiça, Mori Masako, se pronunciou, classificando as declarações de Ghosn como “intoleráveis”.
Veja a entrevista exclusiva de Ghosn ao Roberto D´Avila:
Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal
Questão com Israel
Ghosn também foi ouvido a respeito de um relatório apresentado à Justiça libanesa por advogados libaneses, relacionado a uma visita a Israel.
Países vizinhos, Líbano e Israel estão tecnicamente em guerra, e Beirute proíbe seus nacionais de irem a Israel, ou de terem contatos no Estado hebreu.
Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão
Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui