CRUELDADE: POBREZA AUMENTA, MAS BOLSONARO DIMINUI BOLSA FAMÍLIA

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia – É óbvio que tem alguma coisa errada. O número de pessoas vivendo na extrema pobreza no país cresceu cerca de 30% nos últimos cinco anos, mas os recursos do orçamento destinados ao Bolsa Família em 2020, R$ 29, 5 bilhões, são menores do que os do ano passado, que foram de R$ 32,5 bilhões, equiparando-se, em valores nominais, ao que foi gasto há dois anos.

Todo mundo sabe que esse não é exatamente um governo voltado para os mais vulneráveis, mas a conta política começa a assustar os governistas que estão de olho nas eleições. Não por outra razão, a ala política, representada por Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Osmar Terra (Cidadania) entregou ao presidente Jair Bolsonaro sua proposta de reformulação do principal programa social do governo.

- Publicidade -

Querem botar mais R$ 16 bilhões no Bolsa Família — que já admitem reduzir para R$ 10 bi — e mudar seu nome, para que passe a ser uma marca eleitoral do governo Bolsonaro. Estão propondo mudanças perigosas, que podem desfigurar o programa, como a de condicionar o pagamento de um bônus a famílias de estudantes que tenham bom desempenho escolar — jogando nas costas de uma criança ou adolescente que vive em condições desfavoráveis a responsabilidade pela renda familiar.

No momento, porém, esse não é o maior dos problemas, que consiste na resistência da equipe econômica a dar mais do que parcos R$ 2 bilhões para recompor o orçamento do Bolsa Família. De fato, porque o super-hiper-megapower-blaster liberal Paulo Guedes daria mais dinheiro para a área social? Não foi convidado a ser Posto Ipiranga para isso, e nem Bolsonaro acha que foi eleito para governar para os pobres.

Só que, seguidamente, o presidente da República, mordido pela mosca azul da candidatura à reeleição, vem dando sinais de que vai, cada vez mais, chutar os cânones da ortodoxia econômica por razões eleitorais — sem falar nas ideológicas. Esquecendo-se, talvez, que o que lhe resta de apoio nas elites econômicas está estreitamente ligado à agenda de Guedes.

As apostas em Brasília são de que Bolsonaro vai obrigar Paulo Guedes a dar mais dinheiro para o Bolsa Família — com todas as consequências que esta queda-de-braço entre políticos e economistas liberais vai provocar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.