Em meio a protestos, Rohani, presidente do Irã, pede unidade




Ele também afirmou que as Forças Armadas precisam pedir desculpas pela queda do avião ucraniano em Teerã e que ‘expliquem ao povo o que aconteceu’. Hassan Rohani, presidente do Irã, durante discurso no dia 15 de janeiro de 2020
Reprodução site oficial da presidência do Irã/Via Reuters
O presidente do Irã, Hassan Rohani, lançou um apelo por unidade nacional nesta quarta-feira (15) e por uma mudança radical na forma de governo do país, após a queda de um avião de passageiros ucraniano em 8 de janeiro , que deixou 176 mortos. A maioria das vitimas é de origem iraniana e canadense.
Ele também afirmou que as Forças Armadas precisam pedir desculpas pela tragédia e que “expliquem ao povo o que aconteceu” para que as pessoas entendam que “não querem esconder nada”.
Em um primeiro momento, as autoridades iranianas não reconheceram sua responsabilidade no episódio, o que provocou manifestações contra o Executivo e uma onda de indignação desde sábado (11).
Presidente do Irã pede saída de tropas estrangeiras do Oriente Médio
Após dois dias de desmentidos oficiais, as Forças Armadas iranianas reconheceram, no sábado, terem derrubado por erro o Boeing 737 da Ukraine International Airlines, poucos minutos depois de sua decolagem de Teerã.
Destroços de avião ucraniano são vistos em Shahedshahr, sudoeste da capital Teerã, no Irã
Ebrahim Noroozi/AP
Referindo-se a uma série de acontecimentos “trágicos” ocorridos desde o início de janeiro no país – do assassinato do general Quassem Soleimani, por parte de Washington, à catástrofe “inaceitável” do voo da Ukrainian Airlines -, Rohani declarou que esse quadro deve levar a uma grande decisão dentro do sistema político iraniano.
“E esta decisão importante” – frisou – “é a reconciliação nacional”.
Previstas para 21 de fevereiro, as eleições legislativas “devem ser a primeira etapa”, declarou o presidente, em um discurso feito depois de um conselho de ministros e transmitido, de forma excepcional, ao vivo pela televisão pública. “O povo quer diversidade”, acrescentou Rohani, ainda falando sobre as eleições.
Segundo ele, “as pessoas querem a garantia de que as autoridades as tratam com sinceridade, integridade e confiança”.
“Peço às Forças Armadas e a seu Estado-Maior que expliquem às pessoas o que aconteceu desde o acidente até que se anunciou” a verdade, para que “entendam que não queriam esconder nada”, acrescentou. O governo alega que foi informado do ocorrido apenas na sexta-feira (10).
Ucrânia e Canadá se envolvem em apuração
A Ucrânia pediu ao Irã que lhe entregue as caixas-pretas do avião derrubado, de acordo com anúncio feito por Kiev nesta quarta (15).
Conforme a Procuradoria ucraniana, o governo “faz todo o possível para garantir a descriptografia das gravações de voo e preservar as provas na investigação sobre a catástrofe”.
Nesse sentido, a Procuradoria e o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) enviaram um pedido oficial às autoridades iranianas, completou a Procuradoria.
Kiev informou ainda que uma autoridade iraniana de alto escalão irá à Ucrânia nos próximos dias “para determinar o laboratório” encarregado de analisar as caixas-pretas.
Os especialistas canadenses que chegaram na segunda-feira (13) a Teerã também terão acesso às caixas-pretas do avião, disse uma autoridade canadense.
Sem novo acordo com os EUA
Rohani desconsiderou a possibilidade de um acordo com Donald Trump para solucionar a disputa em torno do programa nuclear iraniano durante o discurso.
O líder do país persa disse que a oferta americana é estranha e criticou o americano por não cumprir promessas.
O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que elogiou Trump como um grande negociador, pediu na terça-feira (14) para que o presidente dos EUA substitua o acordo nuclear de 2015 com um novo pacto para garantir que Teerã não consiga uma arma nuclear. Trump disse concordar com Johnson.
Em um discurso televisionado, Rohani disse à Washington para voltar ao acordo nuclear, que os americanos assinaram em 2015 e abandonaram em 2018.
A lógica do acordo é a seguinte: grandes economias iriam parar de aplicar sanções econômicas ao Irã, que iria restringir seu programa nuclear.
Em 2018, Trump saiu do acordo e colocou novas sanções ao Irã, que tiveram efeito na economia do país.
Teerã afirma que quer manter o acordo, mas que não pode fazer isso sem prazo se o Irã não receber os benefícios econômicos prometidos. O país vem gradualmente reduzindo seus comprometimentos, o que fez com que o Reino Unido, França e Alemanha acusassem o Irã formalmente por violar os termos.
“Esse senhor primeiro-ministro em Londre, eu não sei como ele pensa. Ele diz ‘vamos deixar de lado o acordo nuclear e colocar o plano de Trump em ação. Se você tomar o passo errado, será em seu detrimento. Escolha a via correta. A via correta é voltar ao acordo nuclear”, disse Rohani.
Ele disse que o Irã pode reverter as ações que violam o acordo assim que as sanções forem levantadas, e que seu programa nuclear é supervisionado pela Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, na sigla em inglês).
A maior violação do acordo até agora foi anunciada no dia 5 de janeiro: o Irã vai abandonar qualquer comprometimento com limite ao enriquecimento de urânio que constava no pacto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.