Narendra Modi, o anfitrião nacionalista de Bolsonaro na Índia




Políticas divisivas estimuladas por premiê indiano acirram tensões entre hindus e muçulmanos e ameaçam a estabilidade na maior democracia do mundo. O presidente Jair Bolsonaro ao lado do primeiro-ministro Narendra Modi, durante cerimônia de comemoração do Dia da República da Índia
Alan Santos /PR
Enquanto comemorava com uma parada militar o 71º aniversário da Constituição da Índia, tendo o presidente Jair Bolsonaro como convidado de honra, o premiê Narendra Modi recebeu do principal partido da oposição uma cópia da Carta Magna com o seguinte recado: “Leia, quando fizer uma pausa em dividir o país.”
Neste segundo mandato, aos 69 anos, Modi vem incrementando claramente a orientação nacionalista hindu à Índia. O nome do primeiro-ministro é frequentemente associado à divisão do país e à promoção da intolerância.
Em dezembro passado, o Parlamento dominado por seu partido, o Bharatiya Janata (BJP, na sigla em inglês), aprovou o contestado projeto de lei que acelera a cidadania para minorias religiosas de países vizinhos.
A medida beneficia hindus, sikhs, budistas e cristãos de Afeganistão, Bangladesh e Paquistão. Mas é criticada por marginalizar ainda mais os muçulmanos, que integram uma minoria de 200 milhões de pessoas e que por si só representa uma das maiores comunidades do mundo.
Calcada na religião, a lei da cidadania deflagrou protestos pelas principais cidades, reprimidos com violência. O governo bloqueou serviços de internet e redes de celulares e impôs o toque de recolher.
Eleito premiê pela primeira vez em 2014, Modi imprimiu sua marca no nacionalismo hindu. Como ministro-chefe do estado de Gujarat, ele havia sido acusado de omissão nos confrontos violentos promovidos contra muçulmanos, que em 2002 deixaram mais de mil mortos.
A má reputação, por não ter evitado o derramamento de sangue, o impediu, por vários anos, de entrar nos EUA e no Reino Unido. Mas a ascensão no BJP e a consequente vitória eleitoral o reabilitaram no cenário internacional. De pária, Modi foi alçado a parceiro estratégico.
Ao mesmo tempo que estimulava reformas econômicas, o premiê incentivava a proibição de consumo de carne bovina — para aplacar a base nacionalista hindu — acirrando as tensões com muçulmanos. No segundo mandato, o governo amarga ainda a desaceleração econômica. A estimativa é o crescimento de 5% este ano, o mais baixo desde 2009, em contraste com a taxa de 8,2% em 2017.
Analistas apontam a política divisiva de Modi como um risco à estabilidade na maior democracia do planeta. Suas iniciativas vêm corroendo a tradição secular da Índia. E, como avaliou o ex-chanceler Shyam Saran, em artigo no jornal “Business Standard”, um país dividido é um país inseguro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.