Alckimin nega que PCC tenha ‘plano’ de atacar presídios em SP; VEJA!

0

Do Valor:

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira que “não há procedência” em alerta produzido por um investigador do setor de inteligência da Polícia Civil sobre possíveis ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) nesta semana. O governo paulista anunciou que afastará do cargo o policial civil responsável pelo documento, que foi distribuído a policiais em todo o Estado e circula na internet desde o fim de semana.

“Tenho visto [o alerta] na internet e várias pessoas me mandaram. Liguei três vezes para o secretário da Administração Penitenciária para ver se tem alguma procedência. Ele disse que não tem nenhuma procedência”, afirmou Alckmin à imprensa, depois de participar de um evento para a entrega de 573 viaturas para a Polícia Militar do Estado.

Ao lado do governador, o secretário estadual de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, afirmou que não há riscos de ataques do PCC no Estado e criticou o alerta produzido pelo serviço de inteligência da Polícia Civil.

“O monitoramento realizado tanto pela Secretaria de Segurança quanto pela Secretaria de Administração Penitenciária não indica esse risco [de ataques do PCC nesta semana]”, afirmou o secretário.

Mágino confirmou a veracidade do informe produzido por um investigador do setor de inteligência da Polícia Civil e disse que o documento é “legítimo”, mas afirmou que “está errado” e que “não tem nenhuma procedência” em relação ao alerta sobre possíveis ataques da facção. O secretário afirmou que o governo paulista não fará nenhum tipo de mudança na estratégia de segurança, mesmo depois desse alerta.

“O alerta está errado. Aquilo é muito estranho. Quem emitiu aquele alerta é alguém que não sabe trabalhar com inteligência. Inteligência não trabalha com alerta. Trabalha com informação que precisa depurar. E não é daquela forma que se depura informação”, afirmou Mágino, em entrevista. “Não detectamos nenhum movimento que justifique esse temor que aquele falso alerta está provocando em quem o lê”, disse.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.