Após prisão, Eike Batista ‘faliu’ de vez; SAIBA MAIS!

0

Desde 2012, quando foi eleito o sétimo homem mais rico do mundo pela revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões, o império de Eike Batista começou a ruir. No ano seguinte, com perdas expressivas, já caiu para a centésima posição e, em 2014, já estava fora da lista dos 1.645 bilionários do mundo.

Hoje, detém apenas 1% das ações da empresa de energia MPX, que ganhou o nome de Eneva após ser salva pelo restante dos sócios, além de papéis nas problemáticas OGX (petroleira), no estaleiro OSX e na MMX, todas em processo de recuperação judicial.

Na petroleira, de acordo com informações da Folha de S. Paulo, a fatia de Eike atualmente, 13%, será reduzida para apenas 0,65%, após nova rodada de negociações com credores.

Já a LLX, que também formava o “Império X”, passou a se chamar Prumo e foi adquirida pelos americanos da EIG. O restante do que sobrou foi repassado ao Mubadala, fundo de Abu Dhabi, que em 2012 colocou US$ 2 bilhões na EBX. Com o fundo, ficaram ações de Eike no Burger King, uma mina de ouro na Colômbia, uma fatia da LLX e de um porto da mineradora MMX, o Hotel Glória, entre outros imóveis.

Antes de ser preso, no último dia 30, e levado para o complexo penitenciário de Bangu, no Rio, o empresário arquitetava o retorno do seu escritório na Praia do Flamengo, no Rio. Ao lado de um pequeno grupo de executivos, tentava se enveredar no mercado de pastas de dente. Também chegou a comprar um naco em uma empresa de oratória, a Vox2you, e tinha andado animado com a perspectiva de legalização dos jogos de azar no Brasil, tendo participado, inclusive, de algumas reuniões em Las Vegas, nos Estados Unidos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.