BRIGA: Temer bate de frente com Janot sobre PEC; VEJA!

2

O governo Michel Temer rebateu nesta sexta-feira (7) nota técnica da Procuradoria-Geral da União de que a proposta de limite de gastos públicos que tramita na Câmara dos Deputados é inconstitucional.

Segundo o documento, a iniciativa desrespeita a separação dos poderes e tende a transformar o Poder Executivo no que chamou de “super órgão”, além de comprometer as ações de combate à corrupção no país.

Em nota, o Palácio do Planalto afirmou que a proposta cria o mesmo critério de limite de gastos para todos os poderes e para o Ministério Público em igual proporção, “não havendo tratamento discriminatório que possa configurar violação ao princípio da separação dos poderes”.

O governo federal ressalta ainda que a Constituição Federal já impõe limites à autonomia administrativa e financeira dos poderes e do Ministério Público e estabelece que as propostas orçamentárias serão realizadas “dentro dos limites estipulados na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

“Se até mesmo a LDO pode estabelecer limites claros à iniciativa orçamentária dos poderes e do Ministério Público, evidente que a própria Constituição Federal, por meio da PEC, pode estabelecer quais serão estes limites”, disse.

Em entrevista ao SBT Brasil, gravada nesta sexta-feira (7) antes da divulgação do parecer, o presidente Michel Temer disse acreditar que a proposta será aprovada ainda neste ano.

“Eu acho que será aprovada. Se for me pautar pelo placar da votação na comissão, que foi 23 a 7, isso representa 75% no critério da proporcionalidade. Se eu adotar esse critério, vai para quase 380 votos. Mas temos os pés no chão. Se obtivermos os 308 votos necessários para a aprovação, já estamos satisfeitíssimos”, disse.

Segundo ele, a reforma previdenciária deverá ser apresentada ainda neste mês, mas a expectativa dele é que seja aprovada apenas no primeiro semestre do ano que vem. Com informações da Folhapress.

você pode gostar também Mais do autor

2 Comentários

  1. Adelmo luna Diz

    Quem deve receber salário por hora trabalhada são os políticos. Aí sim, o país daria um salto de qualidade.

  2. Marlene Diz

    Eu concordo com pagamento de aulas horas dada.
    Assim quem produz mais ganha mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.