CARTA ABERTA: Economista cita trechos da Declaração dos Direitos Humanos e manda recado para Dallagnol; CONFIRA!

1

Em “Carta a Dallagnol e cia.” publicada na revista Carta Capital dessa semana, o economista e professor Luiz Gonzaga Belluzzo cita trechos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, de dezembro de 1948, e conclui que “transcorridos quase 70 anos da promulgação desse cardápio de boas intenções, a sociedade de massas contemporânea ressuscita o menosprezo às formalidades da lei. Exige uma solução mais rápida e drástica para a realização da Justiça, ainda que à custa de tropelias ilegais”.

Se sob o Antigo Regime “as punições atrozes refletiam a ‘rudeza dos costumes'”, quando “as cerimônias cruéis tinham o propósito de mostrar a todos a desproporção de forças entre o rebelde e o rei (…), agora as cerimônias cruéis são exibidas no palco das promiscuidades entre as autoridades e a mídia”.

Belluzzo lembra que “as garantias do procedimento legal são, na verdade, uma defesa do cidadão acusado – e ainda inocente – contra os arcanos do poder” e diz que “essas conquistas da humanidade são pisoteadas por quem deveria defendê-las”. “O Estado se transforma num aparato administrativo desgovernado e despótico, numa caricatura de si mesmo, num butim a ser dilapidado por ocupantes eventuais”, conclui.

você pode gostar também Mais do autor

1 comentário

  1. h.moreira Diz

    PARA O DALLAGNOL CANTAR BEM ALTO. COM UMA INCONTORNÁVEL HERANÇA HISTÓRICA, A UNIVERSIDADE DE COIMBRA CELEBROU EM 2016 OS SEUS 726 ANOS. CONTANDO COM UM PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL ÚNICO, FUNDAMENTAL NA HISTÓRIA DA CULTURA CIENTÍFICA EUROPEIA E MUNDIAL, É DESDE 2013 PATRIMÔNIO MUNDIAL DA UNESCO. FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA.
    https://www.youtube.com/embed/4LbdzJOkt_0

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.