Cunha limpa as contas e justiça não consegue bloquear valor estimado em 220 milhões de reais; CONFIRA!

11

A Justiça Federal do Paraná decretou a indisponibilidade de bens do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no montante de R$ 220.677.515,24.




A decisão foi dada pela 6.ª Vara Federal de Curitiba em ação civil de improbidade administrativa movida pela Procuradoria da República, na capital paranaense, contra o peemedebista.

No entanto, como destaca o jornal O Globo, a Justiça Federal do Paraná não encontrou nenhum valor nas contas que o deputado cassado mantém no Brasil. O bloqueio foi lembrado pelo Ministério Público Federal no pedido de prisão de Cunha.

CARROS DE LUXO

O Ministério Público Federal também pediu pela segunda vez a apreensão de oito veículos do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB). Os bens somam mais de R$ 1 milhão. Segundo O Globo, alguns deles são modelos luxuosos da marca Porsche avaliados em mais de R$ 300 mil cada. Moro determinou apenas que os carros fiquem bloqueados, ou seja, não podem ser vendidos.

PRISÃO

Nesta quarta-feira (19), Eduardo Cunha foi preso em Brasília por ordem do juiz federal Sérgio Moro, titular da 13ª Vara Federal de Curitiba. Eduardo Cunha responde a ação penal perante Moro.

Em outra frente de investigação, a Procuradoria propôs ação de improbidade contra o peemedebista. Esse tipo de processo não tem caráter penal – sanções previstas têm natureza civil, como inelegibilidade, perda dos direitos políticos, pagamento de multa e ressarcimento de danos ao erário, por isso foi ordenado o bloqueio milionário.

A investigação contra Eduardo Cunha sobre contas na Suíça abastecidas por propinas na Petrobras estava sob responsabilidade do Supremo Tribunal Federal (STF). Cassado pela Câmara, o peemedebista perdeu o foro privilegiado perante a Corte máxima.

Os autos foram deslocados, então, para a 13ª Vara de Curitiba, base da Lava Jato. Na segunda-feira, 17, Moro intimou Eduardo Cunha para apresentar sua defesa prévia em ação penal que atribui ao ex-deputado US$ 5 milhões nas contas secretas que ele mantinha na Suíça.

A mulher de Eduardo Cunha, Cláudia, também é acusada na Lava Jato. Mais de US$ 1 milhão da propina que o peemedebista teria recebido sobre contrato da Petrobras no campo petrolífero de Benin, na África, foram gastos por ela em compras de luxo na Europa, segundo os investigadores. Cláudia adquiriu sapatos, bolsas e roupas de grife na França, Itália e em outros países europeus. Com informações do Estadão Conteúdo.

você pode gostar também Mais do autor

11 Comentários

  1. Gilmar Diz

    Tem de haver um jeito de bloquear sim, onde foi parar esse dinheiro? pressão nele.

  2. soares Diz

    O mais estranho é que o cunha foi preso e não colocaram as algemas nele. Afinal ele já não é uma pessoa comum e sem foro privilegiado?

  3. Jaqueline Faria Diz

    Moro poderia ter ordenado o bloqueio dos bens através do processo da esposa de Cunha, Cláudia Cruz que está com ele desde 2015.
    Mas, de tudo isso, me intriga o fato do Juiz DEVOLVER o passaporte dela, que tem contas no exterior, ao mesmo tempo em que justifica a ordem das prisões preventivas de outros réus e, de, apenas, investigados, para prevenir uma fuga do país pois, tais recursos poderiam garantir a sobrevivência em outro país. Equidade é Princípio, Fundamento e, substância daquele que foi investido do poder de julgar a conduta dos demais membros da sociedade. Moro não decide com equidade. Aos amigos, as beneces da lei e, aos inimigos, o rigor da lei. Juiz não pode ser inimigo de uma das partes do processo. O Juiz deve ser IMPARCIAL. Esse Juiz também julga a si mesmo. Moro se julga possuidor do privilégios de descumprir as cláusulas do Contrato Social pactuado em 1988. Nenhum Brasileiro está autorizado a descumprir a Lei Suprema, Máximas e decidida pelo povo Soberano. Mas Moro quer, porque quer, ter esse privilégio. Ele quer imperar acima de todos. Esse privilégio só tem quem é divino e, isso Moro não é. Moro é apenas mais um Brasileiro, servidor público e que anda cometendo crimes em razão do cargo que exerce. Os Desembargadores que concederam a um cidadão o direito de estar acima de todos os demais não poderiam tê-lo feito, portanto, praticaram o mesmo crime que estavam julgando.

    1. Iran Freitas Diz

      Concordo plenamente , tô percebendo isso dele faz tempo tem gato nessa tumba , de herói vai acabar se tornando a Geni .

  4. Jairo Diz

    O Mais bizarro desa historia é saber que a policia federal moro sabe do valor do dinheiro mas ñ estar na conta não pode provar kkkkkkkkkkk

  5. José Soares Diz

    Isso é uma vergonha para o sr. Juiz Sério Moro, fazer um teatro desse como ele limpa milhões e vcs não descobrem para onde foram ! Tá ficando tão difícil q serei o 1 primeiro brasileiros a pedir azilo em outro país por conta da corrupção do Brasil !

    1. Fabio Belotti Diz

      Vai nada José Soares, eu já pedi o meu. Perdido por perdido, vou pra Passargada. kkkkkk
      Esse escroto do Moro, primeiro avisou o Cunhaladrao, ” Olha limpa tudo, vem passear de avião aqui, a gente faz um carnaval e depois vc sai num susposto habeas corpus ” . Estão achando que todo povo é IDIOTA.

  6. HULDA FARIAS Diz

    Tudo combinado. Deram a ele o tempo e as condições pra fazer isso antes dessa prisão de faz de conta.

    1. Maria Diz

      tem que fazer ele contar onde coloco deve muitos laranjas por ai mais se a justiça for correta vai fazer ele devolver cada centavos ate os que ja gasto porque e do povo e não dele

    2. Odete gandra Diz

      Bem isso mesmo…tudo faz de conta e o povo sendo feito de trouxa!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.