Doria sanciona lei antipichação e veta até grafite não autorizado

0

Como parte de sua campanha contra pichação em São Paulo, o prefeito João Doria (PSDB) sancionou na manhã desta segunda (20) uma lei antipichação que endurece a punição a pichadores.

Agora, caso seja pego pichando, o infrator terá de pagar multa de R$ 5 mil. Caso a pichação seja contra o patrimônio público, a multa dobra para R$ 10 mil. Em caso de reincidência, a multa também dobra.

Pesquisa Datafolha mostrou, na semana passada, que 85% dos paulistanos são favoráveis a grafites em muros e fachadas e 97%, contrários às pichações. Mas, para 61%, segundo o Datafolha, o aumento da punição não vai acabar com a pichação. Já 35% acreditam que sim.

O projeto de lei havia sido aprovado na semana passada na Câmara Municipal.O texto da lei diferencia grafite de pichação, mas o prefeito não explicou como essa diferenciação se dará na prática, no flagrante. Segundo Doria, os grafites terão de ser sempre autorizados -para grafiteiros, no entanto, a essência do grafite é que não tenham autorização; caso contrário, são chamados de murais. Obras espalhadas pela cidade como as da dupla Osgemeos, por exemplo, valorizadas pelo mercado, não têm autorização da prefeitura.

Questionado sobre essa diferenciação, o vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) respondeu que a pessoa que for pega “tem direito ao processo e à defesa e poderá se defender”. Também questionou: “onde no dicionário está escrito que grafite deve ser sempre não autorizado?”

SPRAY

A lei também determina que estabelecimentos comerciais não poderão vender sprays para menores de 18 anos, e terão de manter a relação de notas fiscais lançadas com a identificação do comprador, sob pena de multa de R$ 5 mil.

Uma lei federal sancionada em 2011 já estabelece essas obrigações, sem a multa de R$ 5 mil.

A 600 metros da sede da prefeitura, na Galeria do Rock, lojistas de comércios que vendem sprays dão de ombros: “A regra já existe”, dizem, mostrando uma etiqueta atrás da lata, que anuncia a proibição da venda para menores de 18 anos. “De qualquer forma, não é aqui que compram spray.”

Um grafiteiro e pichador de 25 anos que estava ali na manhã desta segunda (20) e que assina “Bem Loco” nas ruas de São Paulo, explica: “Esses sprays são muito caros para pichadores. R$ 15, R$ 25 é inviável”, diz, apontando para as latas. “Isso aqui eu compro para fazer grafite bom. Para pichar, compramos tinta em lojas de material de construção ou roubamos mesmo.”

A multa de R$ 5 mil, diz ele, não intimida. “A pichação sempre existiu em São Paulo. Não vai ser o Doria que vai conseguir apagar.”

CARNAVAL

Doria voltou a falar sobre as falhas da administração municipal durante o fim de semana de pré-Carnaval. “Não fomos bem no sábado. Falhamos, subestimamos o número de público”, afirmou. “Isso não nos desobriga a agir com mais eficiência da próxima vez.”

Na noite de sábado (18), o lixo dominou grande parte do largo da Batata, local escolhido como ponto de dispersão pela prefeitura. Também houve problemas com acesso à estação de metrô Faria Lima, fechada diversas vezes por conta do grande fluxo de pessoas. Com informações da Folhapress.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.