Em baixa, assessores pedem que Temer viaje pelo o Brasil

1

O presidente Michel Temer tem sido aconselhado por assessores e auxiliares a aumentar o número de agendas públicas e viajar mais pelo país neste final de ano.

A avaliação é que o peemedebista tem se dedicado nos dois últimos meses quase que exclusivamente à articulação com o Congresso Nacional, assumindo uma função que caberia na verdade aos ministros do núcleo político do governo federal.

No período, o presidente assumiu as rédeas nas negociações da proposta do teto de gastos públicos, aprovada na Câmara dos Deputados, e na formulação da reforma previdenciária, que será enviada em dezembro ao Congresso Nacional.

Nas palavras de um assessor direto, chegou a hora do presidente se “desencastelar” do Palácio do Planalto e iniciar um diálogo mais amplo e direto com a sociedade, e não apenas com a Câmara e com o Senado.

Segundo a reportagem apurou, contudo, o peemedebista ainda oferece resistência ao conselho e tem ressaltado a necessidade de permanecer em Brasília para garantir a aprovação do teto de gastos no Senado.

Desde que assumiu definitivamente o comando do Palácio do Planalto, no final de setembro, Temer viajou dentro do país apenas para São Paulo e para o Rio de Janeiro, onde participou de encontros com empresários e executivos.

Para minimizar as ausências no restante do país, ele tem dado entrevistas para rádios regionais, mas a avaliação do entorno do peemedebista é que é necessário ele ter uma presença mais assertiva caso queira reverter os atuais índices de popularidade.

Segundo a última pesquisa Pulso Brasil, feita pelo Instituto Ipsos e divulgada no final de outubro, apenas 9% da população brasileira avalia a gestão do presidente como boa ou ótima.

No período da interinidade, havia o receio do peemedebista de comparecer a eventos ou inaugurações no Norte e Nordeste, regiões que nas últimas eleições presidenciais se configuraram como redutos eleitorais petistas.

Com o resultado da disputa municipal deste ano, quando o partido elegeu apenas um prefeito de capital, a avaliação do Palácio do Planalto é que o partido perdeu força nas duas regiões, diminuindo o risco do presidente enfrentar vaias em uma eventual visita.

Para este mês, a equipe do presidente chegou a programar a viagem dele para o Mato Grosso, na qual participaria de cerimônia para a entrega de títulos de reforma agrária. Temer, contudo, tem dado sinais de que não pretende comparecer ao evento. Com informações da Folhapress.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.