ENRASCADO: Marcelo Odebrecht confirma versão de Cláudio Mello Filho afirma que Aécio pediu R$ 15 milhões em 2014

0

Alheio ao processo que julga as contas da chapa Dilma-Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), acabou citado no depoimento de Marcelo Odebrecht ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na quarta-feira. Ao falar sobre pedidos de políticos de dinheiro para a campanha de 2014, Marcelo disse que se reuniu três vezes com Aécio, que concorria à Presidência pelo PSDB. Em um desses encontros, segundo o delator, o tucano pediu uma doação de R$ 15 milhões.

Na primeira conversa, o tucano teria pedido R$ 5 milhões de doação. Marcelo frisou que achava que era este o valor mas não lembrava ao certo. Na terceira, na reta final do primeiro turno e com o crescimento de Marina Silva (PSB), Aécio se reuniu com Marcelo e apelou por uma doação de R$ 15 milhões, de acordo com o ex-presidente do grupo Odebrecht. O empresário afirmou que recusou o pedido, alegando que o valor era muito alto. Em seguida, Aécio pediu, então, repasse a seus “aliados políticos”. Foi então, segundo Marcelo, que ele concordou em colaborar. O repasse seria acertado, segundo o depoimento, entre Sérgio Neves e Oswaldo Borges da Costa.

Oswaldo Borges da Costa é apontado como “controlador das contas das empresas” de Aécio Neves, segundo delação do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. É uma espécie de tesoureiro informal do tucano
Sérgio Neves, ex-diretor da Odebrecht em Minas Gerais, é um dos 78 funcionários da empreiteira que assinaram acordo de delação premiada. Sérgio Neves detalharia, nas delações, os pagamentos a Aécio.

No depoimento, Marcelo disse que a primeira reunião com o tucano ocorreu ainda na pré-campanha eleitoral. Por não ser parte do processo, o empresário não seguiu com as explicações, a pedido do relator do processo no TSE, ministro Herman Benjamin, que está conduzindo os depoimentos.

Quanto à forma de repasse dos recursos, Marcelo Odebrecht afirmou a Aécio que a construtora já havia doado um dinheiro substancial à sua campanha. Não ficou claro se os R$ 15 milhões foram doados legalmente ou por meio de caixa 2. (Colaborou Eduardo Barretto)

Fonte: Extra

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.