Executivo da Odebrecht entrega o ‘santo’ da Odebrecht; Geraldo Alckimin se enrola com Benedito Barbosa; ENTENDA!

1

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o Santo da lista da Odebrecht, está na mira de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, delator da empreiteira. O executivo prometeu ao Ministério Público estadual de São Paulo que vai colaborar com a investigação que apura suspeitas de irregularidades na duplicação da rodovia Mogi-Dutra em São Paulo, além de revelar codinomes vinculados a valores que constam de planilhas apreendidas pela Operação Lava-Jato. Os investigadores apreenderam, na casa de Benedicto, no Rio, em 2016, anotação com referência ao pagamento de 5% do valor de contrato de obras da rodovia – iniciadas em 2002, no governo Alckmin – para o codinome “Santo”. Há também menção à palavra “apóstolo”.

As informações são de reportagem de André Guilherme Vieira no Valor.

“O tucano tem negado a existência de quaisquer irregularidades nas campanhas eleitorais de que participou. As delações dos 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht foram homologadas ontem pela ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O material já pode ser usado pela Procuradoria-Geral da República para dar início a novas investigações criminais, além de operações de busca e apreensão e condução coercitiva – quando o investigado é levado pela polícia para depor, mas pode optar pelo direito de ficar em silêncio.

Benedicto já havia sido chamado a prestar esclarecimentos ao MP-SP e esteve na Promotoria do Patrimônio Público e Social de São Paulo em 22 de novembro, quando alegou que “segundo o entendimento formal da companhia não poderá, no momento, prestar qualquer esclarecimento (…), posto que aguarda a solução de tratativas no bojo de inquérito criminal que tramita perante a 13ª Vara Federal de Curitiba”. Apesar de homologadas, as delações da Odebrecht continuam sob sigilo.

“Se ele [Benedicto] não vier espontaneamente, vamos intimá-lo novamente. Mas ele se comprometeu a retornar para depor no prazo de 120 dias”, disse ao Valor o promotor de Justiça Marcelo Milani, que apura ocorrência de eventual dano ao erário público na licitação para a Mogi-Dutra, vencida pela Queiroz Galvão e que teve participação da OAS e da Odebrecht.”

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.