Gravação de Calero comprova que Planalto pressionou para que problema pessoal de Geddel fosse resolvido irregularmente

1

Foram divulgadas, nesta tarde, algumas gravações feitas pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, que confirmam as pressões do Palácio do Planalto, para que ele liberasse uma obra ilegal na Bahia, onde o ex-ministro Geddel Vieira Lima tem um imóvel de R$ 2,4 milhões.

Num dos telefonemas, Gustavo do Vale Rocha, subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, diz que irá encaminhar um recurso para o Iphan e para a Advocacia-Geral da União – Calero responde que não iria se envolver com o assunto.

No diálogo com Michel Temer, o presidente lamenta ter sido “insistente” para que ele permanecesse no cargo.

Confira abaixo:

CONVERSA COM GUSTAVO DO VALE ROCHA

[Gustavo do Vale Rocha] Eu tô te ligando que eu tô dando entrada lá com um pedido protocolar. Então, vou protocolar o recurso lá no Iphan.
[Calero] Tá
[Rocha] Vou protocolar uma cópia aí.
[Calero] Tá. Mas eu até falei com o presidente, Gustavo, eu não quero me meter nessa história, não.
[Rocha] É. O que ele me falou para falar era: ‘veja se ele encaminha e não precisa fazer nada’. Encaminha para a AGU. Falou isso comigo ontem, né. Aí eu falei, não, eu falo isso com ele.
[Calero] Bom, tá, eu vou, eu vou fazer uma reflexão aqui, Gustavo.

AS CONVERSAS, DE ACORDO COM A GLOBONEWS

[Calero] Oi, presidente
[Temer] Oi, Marcelo. Tudo bem, Calero?
[Calero] Como vai o senhor, tudo bem?
[Temer] Bem, graças a Deus.
[Calero] Maravilha
[Temer] Tô aqui por São Paulo hoje.
[Calero] Maravilha, presidente.
[Temer] Então
[Calero] Eu fiz uma reflexão muito grande de ontem para hoje e agradeço…
[Temer] Pois não
[Calero] Muito por o senhor ter insistido. Quero pedir a minha demissão e quero que o senhor aceite por gentileza. Porque não me vejo mais com condições e espaço de estar no governo.
[Temer] Interessante. Tudo bem. Se é a sua decisão, Calero, tem que respeitar. Ontem até acho que fui um pouco inconveniente, insistindo muito para você permanecer. Confesso que não vejo razão para isso. Mas você terá as suas razões.
[Calero] Sem dúvida

você pode gostar também Mais do autor

1 comentário

  1. DaisyBoynardThomazAlves Diz

    Eu penso que o atual estágio de anarquia que vive o povo brasileiro tem origem na ascensão e queda das classes D e E durante os governos petistas.
    A crise que se seguiu a um momento de aparente crescimento e progresso, resultou numa quebradeira em que a queda das ditas classes D e E levou de roldão a frágil base de sustentação da classe média, que no Brasil sempre foi constituída principalmente por intelectuais.
    Os paradigmas que orientavam as escolhas da população em geral estão fazendo falta, a impressão que se tem é que não há líderes à altura do delicado momento político.
    É preciso depor as armas, esclarecer fatos passados e presentes e ter a coragem e a humildade de aceitar e entender onde cada ideologia fracassou.
    A palavra de ordem deve ser: Ordem e Progresso.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.