JOGO ESCUSO: Após Carmen Lúcia ‘aliviar’ para Temer em delações, PSDB faz acordo para ‘empurrar’ processo no TSE

0

Quem não se lembra da atitude do senador Aécio Neves (PSDB-MG) após perder as eleições presidenciais de 2014? Um dia depois da derrota, ele e seus aliados já anunciavam uma ação no Tribunal Superior Eleitoral para anular o resultado, agindo como crianças mimadas, incapazes de aceitar uma frustração.

A ação andou e caiu nas mãos do ministro Hermann Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, que pretende apenas anexar as delações da Odebrecht para pedir a cassação da chapa Dilma-Temer. Tais delações, segundo Benjamin, comprovariam que o PMDB também se beneficiou de doações ilícitas na disputa presidencial de 2014.

Ocorre que, no meio do caminho, Aécio, que se aliou a Eduardo Cunha para promover a política do quanto pior, melhor, conseguiu finalmente derrubar a presidente Dilma Rousseff, por meio de um golpe parlamentar.

Como Michel Temer chegou ao poder graças a essa articulação, o PSDB levou um pedaço gigantesco do Estado brasileiro: o Itamaraty, com José Serra, a Justiça, com Alexandre de Moraes, as Cidades, com Bruno Araújo, e a Petrobras, com Pedro Parente.

Nada desprezível para um partido que perdeu as eleições presidenciais, mas conseguiu tomar o poder no tapetão.

Pois bem: agora, segundo noticia a revista Época, da Globo, o PSDB quer fazer de tudo para travar a ação no TSE. A ordem seria até pedir a convocação de novas testemunhas, numa autêntica chicana processual.

Só não se sabe se o ministro Hermann Benjamin, relator do caso no TSE, aceitará ser passado para trás pelo PSDB, depois de todo o trabalho que fez até agora.

Em tempo: Aécio, que articulou o golpe que quebrou a economia brasileira, está prestes a ser alvo de uma nova denúncia, desta vez por propinas na Cidade Administrativa de Minas Gerais

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.