Moro terá novo sistema de trabalho na Lava Jato em 2017; VEJA!

2

As ferramentas e métodos de trabalho usados pelos investigadores da Lava Jato já não eram suficientes para atender às demandas crescentes da Operação. Para dar conta do trabalho, os responsáveis de informática e engenharia da Polícia Federal (PF) desenvolveram inovações que facilitam as atividades da equipe do juiz Sergio Moro.

Segundo informações da Folha de S. Paulo, até o momento, já foram coletados 1,2 milhão de gigabytes, entre ações de busca e apreensão em servidores e computadores de empreiteiras.

Desenvolvido pelo perito Luís Filipe da Cruz Nassif, o software utilizado pelos investigadores foi batizado de IPED (Indexador e Processador de Evidências Digitais). Com ele, é possível processar simultaneamente dados retirados de até cem diferentes equipamentos eletrônicos, como laptops e celulares.

“Antes era preciso colocar um HD de cada vez. Agora o sistema trabalha no fim de semana, de um dia para outro, algo que os softwares do mercado não permitem”, conta Nassif. “Fiz grande parte do trabalho no meu tempo livre pessoal, em casa. Mas, de 2014 para cá, outros colegas da PF têm me ajudado “, explica.

O sistema reduz os gastos da PF e de outras polícias. Segundo a matéria, a licença do programa anterior custava cerca de R$ 30 mil por ano, por máquina.

O IPED também é utilizado pelas polícias civis do Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina.

você pode gostar também Mais do autor

2 Comentários

  1. Claudio Pinto Diz

    Eu fico pasmo com isso a justiça tendenciosa tendo acesso aos computadores da Odebrecht me parece uma situação supra real.
    Falando em tese se o pré sal está sendo desmontado da forma que esta quem vai garantir a sociedade brasileira que informações técnicas não entrarão nessa devassa dezenas de ano de trabalho sintetizado para uso externo. Existe alguém verificando isso? Eu espero que isso seja fruto de meu devaneio.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.