O candidato de Temer ao STF e o “filho da desquitada”

0

O site Justificando recupera artigo do possível candidato de Michel Temer à vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal que é um primor do medievalismo reinante no Palácio da “bela, recatada e do lar”.

O senhor Yves Gandra Martins diz que “a admissão do divórcio no direito positivo tem ocasionado apenas: maior número de separações (…); maior número de filhos desajustados (…)”.

Eu sou um deles, seu canalha.

Venha dizer isso na minha frente e vou mostrar como sou um “desajustado”, porque responderei que você é um canalha, que separa as pessoas pelo estado civil dos seus pais.

Porque você, filho de uma família bem constituída, por um pai conservador e mandão, é capaz de ser tão desajustado assim que faz tais julgamentos.

E olhe que me conterei, porque um crápula que diz isso merece mesmo é um tapa de mão aberta na cara, que lhe marque mais pelo vermelho da vergonha que pela dor do castigo.

Teria uma atenuante se o fizesse – e não vou fazer, porque sou dono de um respeito à pessoa humana que o senhor não tem – , a de dizer que estapeei um canalha.

Espero que, por um acaso do destino, um neto seu não nasça filho de uma separação, para que o senhor não seja forçado a amar um “desajustado”.

Que uma neta sua não seja, como minha tia avó, a ser levada a tomar formicida e morrer, porque deu “o mau passo” e foi mãe, nos anos 40.

Você, permita-me o tratamento, tratamento mais do que respeitoso, porque excelência o senhor só é na estupidez, é indigno de fazer parte de uma corte suprema porque é mesquinho, mau, preconceituoso, desumano.

O senhor desrespeita a Declaração dos Direitos Humanos, fundamento do Direito, que diz que nascemos livres e iguais.

O senhor fez uma carreira cheia de méritos genéticos, é natural que aja assim.

Acostumou-se a lidar com que lhe abaixa a cabeça

Nem todos são assim.

Não sou desajustado, sou bastante equilibrado como homem para não fazer o que faziam, antigamente, as mulheres afrontadas por um canalha. Sabemos bem o que é, não, Doutor?

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.