Silvio Costa, “Temer não vai aguentar, ele vai cair”; VEJA!

0

Durante o processo de impeachment da presidente Dilma, reiteradas vezes fui à tribuna da Câmara dos Deputados dizer que não era correto tirar do poder uma presidente que não tinha cometido crime de responsabilidade fiscal para entregar a gestão do País à turma de Eduardo Cunha (PMDB). Após a consumação do injusto processo de impeachment, apareceram várias gravações de figuras relevantes do PMDB – áudios entregues aos investigadores pelo atravessador peemedebista, Sérgio Machado -, revelando a trama para derrubar a presidente Dilma. Líderes do PMDB diziam que seria fundamental derrubar Dilma para estancar a Operação Lava Jato.

Recentemente, o Brasil tomou conhecimento de uma articulação entre o governo Michel Temer e um grupo de parlamentares envolvidos na Lava Jato, visando aprovar no Congresso Nacional uma anistia ao Caixa Dois das campanhas eleitorais. Quando as ruas reagiram, o Temer convocou entrevista coletiva às pressas, em um domingo à tarde, para dizer que não estava participando daquela articulação e que vetaria a anistia ao Caixa Dois, caso o projeto fosse aprovado. Puro jogo de cena. Temer estava envolvido até a medula naquela trama de autoproteção dos principais personagens da Lava Jato.

Agora, Michel Temer tem o nome citado 43 vezes por um dos delatores da Odebrecht e continua dizendo que não tem “nada a ver com isso”. Temer é um desinformado? Um ingênuo? Um santo? Quantas vezes será preciso ele ser citado para que a Câmara Federal instale a comissão do seu impeachment, cujo pedido foi protocolado há algum tempo, ou o próprio Temer entenda que perdeu as condições éticas e está perdendo as condições políticas para continuar na Presidência da República?

Esquece Michel Temer que delatores têm consciência de que a mentira ou a falta de provas causa a perda dos privilégios jurídicos de redução de pena. Seria este delator tão descuidado a ponto de citar Temer 43 vezes, em detalhes, e não ter nenhuma prova? A verdade é que o governo Temer acabou. Aliás, parafraseando o ex-presidente Lula, “nunca na história deste País” tivemos um governo tão medíocre e tão submisso aos interesses mais obscuros da sua base de apoio.

Com apenas seis meses de mandato, Temer já foi obrigado – sim, ele foi obrigado, porque por sua vontade não sairiam – a demitir seis ministros por problemas éticos e falta de decoro. Um governo frágil, indeciso e refém do Parlamento. A última prova de fragilidade deste governo foi o recuo na indicação do deputado Antônio Imbassahy, do PSDB, para a Secretaria de Governo. Partido também multiplamente citado na Lava Jato.

O Brasil não pode continuar sendo administrado, mais 24 meses, por essa confraria de delatados do PMDB, que trama pelos cantos dos palácios de Brasília a autoproteção jurídica. O País não aguentará. Só há dois caminhos para que o Brasil volte à normalidade democrática e retome a trajetória de crescimento: renúncia ou impeachment de Michel Temer.

Alerto para o fato de que ainda está faltando a delação premiada do ex-deputado e membro da cúpula peemedebista Eduardo Cunha, que conhece como poucos o modus operandi da turma do PMDB. Com a palavra aqueles e aquelas que foram às ruas tirar do poder uma mulher digna, que foi vítima de um erro histórico provocado por parte do Congresso Nacional.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.