VAI EXPLODIR: Alckimin se complica e será ‘bombardeado’ em delação da Camargo Côrrea que deve ser divulgada nos próximos dias

0

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), apontado como o “santo” na lista da propina da Odebrecht, vai enfrentar problemas com mais uma empreiteira. Desta vez, é a megadelação da Camargo Corrêa —que promete atingir mais de 200 políticos dos mais variados espectros— que deve atingir em cheio a aura de honestidade e transparência que o tucano tanto gosta de propagar. Entre os alvos da empreiteira, o destaque deve ficar por conta de irregularidades nas contas da campanha de Alckmin à Presidência em 2006, conta a coluna de Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Confira a íntegra do texto:

“Como a Odebrecht, a megadelação premiada da Camargo Corrêa vai implicar cerca de duzentos políticos de todos os partidos, mas um dos principais atingidos deve ser o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), cuja reputação de honestidade poderá sofrer sérios danos. Fontes ligadas à Lava Jato suspeitam que a Camargo teria atuado como “tesouraria” na campanha presidencial de Alckmin, em 2006. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Há relatos de distribuição de dinheiro vivo na sede da Camargo Corrêa, em 2006, a políticos supostamente indicados pelo comitê de Alckmin.

As relações da Camargo Corrêa com a classe política são detalhadas em delações de cerca de 40 executivos da empreiteira.

Oficialmente, a Camargo doou só R$400 mil à campanha presidencial tucana, em 2006, e R$2,4 milhões à reeleição de Lula.

A assessoria de Alckmin informou que o governo de São Paulo vai se posicionar somente diante de denúncia concreta, nessa megadelação.”

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.