CADÊ A DODGE? Em novo depoimento, Joesley reafirma que pagou propina a Temer

Em novo depoimento à Justiça Federal, o empresário Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F, reafirmou que pagou propina a Michel Temer. Em seu depoimento, realizado por videoconferência à 15ª Vara Federal de Brasília, Joesley afirmou que a mala com R$ 500 mil encontrada com o ex-assessor do emedebista Rodrigo Rocha Loures por ocasião de sua prisão pela Polícia Federal, era apenas uma espécie de sinal de um acordo de R$ 400 milhões que seriam pagos por meio de suborno ao longo de 20 anos.

A acusação foi alvo de uma denúncia feia pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra Michel Temer. A denúncia, porém, foi barrada na Câmara pela base aliada do governo. Em seu depoimento ao procurador Ivan Cláudio Marx, Joesley ressaltou que o pagamento da propina estava atrelado à compra de gás da Empresa Produtora de Energia (EPE), que integra o grupo J&F, de fornecedores da Bolívia sem entraves burocráticos criados pela Petrobras. O valor da propina foi estipulado em 5% do lucro da EPE. O pagamento teria sido acertado com Rocha Loures após um acerto prévio com o próprio Temer.

Relacionadas

“Eu falei para o Rodrigo (Rocha Loures): R$ 500 mil ou R$ 1 milhão por semana. Então fizemos o contrato. Eu falei : oh funcionou!”, afirmou Joesley. Segundo ele, o acerto da propina teria acontecido durante uma conversa com Temer no subsolo do Palácio do Jaburu, em Brasília. O empresário também confirmou ter feito pagamentos para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e do ex-operador Lúcio Bolonha Funaro.

“Eu disse que tava dando dinheiro pro Lúcio, dava dinheiro para o Eduardo. Aí o Temer me surpreende ao dizer que tem que continuar. Aquela famosa frase dele, tem que manter isso. Numa hora dessas o presidente manda que eu tenho que tenho que continuar. Me assustei muito quando ele falou que era para manter isso”, relatou Joesley.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

você pode gostar também Mais do autor