Dona da Gradual sabia que contadora trabalhara com Alberto Youssef

Reportagem de Danielle Brant , Flavia Lima e Taís Hirata na Folha.

Um dia após deixar a prisão, a dona da Gradual, Fernanda de Lima, nega as acusações. Também afirmou, em entrevista à Folha que a ITS, suspeita de ser empresa de fachada, nasceu da Gradual, mas é uma empresa diferente, e que os R$ 10 milhões foram usados para comprar participações na própria Gradual.

(…)

A ITS, que é de propriedade do seu marido, e a Gradual são a mesma empresa? 

Não. A Gradual ao longo dos anos desenvolveu sistemas de tecnologia que ela mesma utilizava. Em 2012, a gente fez um spin-off, e criou uma empresa de tecnologia. Não é mesma empresa.

A ITS emitiu R$ 10 milhões que voltaram à Gradual. 

Os recursos foram utilizados conforme diz a escritura da operação, que é de compra de participações e opções. A ITS comprou uma participação na Gradual.

Mas quem são os acionistas da ITS? 

É meu marido.

E da Gradual? 

Eu. Meu marido tem 0,01%.

Relacionadas

Como você conheceu sua contadora, a Meire? 

Tinha um contador há muito tempo na Gradual, ele pediu para se aposentar entre 2015 e 2016.Foi aí que me apresentou a Meire, ele me contou que a Meire era uma contadora que conhecia a contabilidade de corretora. Ela me contou da história dela, mas a gente precisa de alguém que pudesse fazer a transição e formar nossa equipe. Ela veio como consultora de contabilidade e foi treinando a nova equipe. Ficou um ano. Entrou em março de 2016 e saiu no fim de 2016. Ela prestou consultoria, nunca assinou balanço.

Vocês sabiam que ela tinha sido contadora do Youssef? 

Sim, ela foi contadora de várias pessoas, de várias corretoras. Eu sou uma pessoa que não necessariamente tem preconceitos. Para o que eu precisava dela ela tinha competência técnica.

A senhora disse que Meire nunca trabalhou na Gradual. Mas tinha um email da empresa. 

Um email que usava internamente. Daí a fazer uma ilação de que ela tenha feito uma estruturação de operação existe um hiato bastante grande. Até porque, sendo absolutamente transparente, e não querendo diminuir ou falar mal de ninguém, a Meire não tem nem experiência nem competência para estruturar operação de mercado de capitais.

Quando fizeram o mandado de busca e apreensão na sede da ITS, a PF diz que Meire foi encontrada lá.

Não, não tinha ninguém na sede da ITS.

Segundo o relatório da PF… 

Sim, segundo o relatório eu mandei R$ 259 milhões para fora e esse recurso nunca foi para fora. Existem várias coisas que precisam ser comprovadas.

(…)

você pode gostar também Mais do autor