MOMENTOS DECISIVOS: Ciro está cotado para vice de Lula, diz Gleisi

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou nesta sexta-feira (3) que Manuela D’Ávila (PCdoB) e Ciro Gomes (PDT) estão entre as opções do partido para compor chapa como vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial. Tanto Manuela quanto Ciro também são presidenciáveis e já foram, inclusive, oficializados por suas legendas em convenções nacionais.

A senadora falou com a imprensa em Curitiba após ela e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad visitarem Lula na Superintendência da Polícia Federal. Os dois passaram a compor formalmente a banca de advogados do ex-presidente para ter acesso facilitado a ele na cadeia. Haddad é também o coordenador do programa de governo do PT para a eleição ao Planalto.

A nova menção do PT a Ciro vem no mesmo dia em que o presidenciável do PDT, em uma carta pública, fez elogios ao ex-presidente Lula e disse que o Partido dos Trabalhadores não pode ser visto como um “inimigo” de sua legenda. “Em nenhuma hipótese é o PT o nosso inimigo”, escreveu o candidato, que apesar disso, voltou a criticar a cúpula petista pelo acordo estabelecido com o PSB. Os partidos se comprometeram a fazer alianças regionais e o PSB, que vinha sendo cortejado por Ciro, avisou que ficará neutro na disputa presidencial.

Gleisi negou que o nome de Manuela já esteja definido, diferentemente do que foi noticiado na tarde desta sexta, mas admitiu o interesse pelo nome da deputada estadual.

“Não tem nada fechado. Eu ontem estive aqui, conversei com a nossa militância, falei que há uma possibilidade, assim como há a possibilidade de indicação de qualquer partido que vier a compor conosco a coligação”, declarou a senadora.

Procurada pela reportagem, a assessoria de Manuela D’Ávila informou que ela continua sendo candidata à Presidência pelo PCdoB, mas que não está descartada a possibilidade de uma composição. Ainda segundo a assessoria, até as 19h30 desta sexta, não havia nenhum convite oficial do PT a Manuela.

Relacionadas

Gleisi também afirmou que ainda há o interesse em uma aliança com o PDT, de Ciro Gomes. “Nós temos o PDT como um partido aliado, inclusive faz parte de uma frente política que nós criamos já há algum tempo, tem um manifesto lançado. E já externamos sim a vontade de ter o PDT junto nessa caminhada. Eu acho que Ciro Gomes seria um bom vice para o presidente Lula”, afirmou Gleisi.

A presidente do PT explicou que a decisão sobre quem será o vice de Lula será tomada neste sábado, durante a convenção nacional do PT em São Paulo. Ela declarou, porém, que o anúncio oficial do parceiro de chapa do ex-presidente só deverá acontecer no dia 14 de agosto, véspera da data limite para o registro de candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Embora o tribunal considere o dia 6 como prazo final para confirmações de chapas e coligações, a presidente do PT alega que o partido não foi oficialmente informado do novo prazo.

“Avaliamos a priori manter a estratégia já traçada e delegar a nossa comissão executiva ou uma comissão retirada da executiva a definição para vice para perto da inscrição da candidatura, assim como as coligações. Ou seja, no dia 14”, afirmou a senadora, questionando a eventual mudança de entendimento do TSE sobre a data.

“Estamos perguntando por que isso está surgindo agora? Nunca foi assim. Os partidos sempre fizeram suas convenções e tiveram um prazo até a inscrição para fazer os ajustes que precisam de alianças e definições. Esse prazo já é dado para os ajustes e sempre foi usado assim”, afirmou, mencionando que outros partidos além do PT adotavam essa estratégia.

De acordo com ela, alterações na legislação eleitoral precisam de um prazo para serem adotadas. “Isso nos causa surpresa e vamos manter a nossa orientação para o dia 14”, afirmou.

Em tese, a condenação em segunda instância no caso do tríplex, da Operação Lava Jato, deixa Lula inelegível pelos critérios da Lei da Ficha Limpa. Mesmo assim, o PT afirma que vai registrá-lo como candidato a presidente. A legalidade da candidatura depende de uma análise da Justiça Eleitoral. O ex-presidente lidera as principais pesquisas de intenções de voto para a eleição presidencial.

UOL

você pode gostar também Mais do autor