PGR ignora representação que pede oitiva de Tácla Duran que pode “ferrar” com a Lava Jato

Nesta segunda-feira (21) completaram-se 167 dias da representação que os deputados Carlos Zarattini (PT-SP), então líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), atual líder, Paulo Teixeira (PT-SP) e Wadih Damous (PT-RJ) protocolaram junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) para cobrar investigação sobre as denúncias do ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Durán, acerca de irregularidades no âmbito da Operação Lava-Jato.

Pimenta vê uma discrepância entre a celeridade dos processos contra o ex-presidente Lula e a fiscalização sobre irregularidades apontadas por Tacla Durán no modus operandi da Lava-Jato. “É impressionante como os procedimentos para condenar sem provas o ex-presidente Lula parecem se mover na velocidade da luz, enquanto os pedidos de controle e fiscalização a respeito de possíveis crimes cometidos pelos agentes públicos da Lava-Jato caminham a passo de lesma”, criticou. “Espero que a procuradora Raquel Dodge possa cumprir com aquilo que nos prometeu e nos receber esta semana para mostrar que as denúncias que trouxemos foram efetivamente investigadas”, acrescentou Pimenta.

Após a representação, protocolada no dia 5 de dezembro, os parlamentares foram recebidos no dia 28 de fevereiro pelo subprocurador-geral da República Carlos Alberto Vilhena. Na ocasião, os petistas anexaram mais documentos e denúncias à peça inicial. E no dia 2 de maio, decorridos 148 dias do protocolo da representação, Pimenta, Teixeira e Damous foram recebidos em audiência pela Procuradora-Geral Raquel Dodge, que se mostrou surpresa quanto à representação dos parlamentares e pediu uma semana para apresentar uma resposta com as providências tomadas pelo órgão.

Relacionadas

Na última terça-feira (15), os deputados enviaram ofício à PGR mencionando que “lhes foi assegurado que no prazo de uma semana (…) seria retomado o contato com os parlamentares já com as devidas medidas tomadas” quanto às denúncias apresentadas por eles.

No ofício destinado a Raquel Dodge, os petistas cobram o agendamento de nova reunião com a chefa do Ministério Público e afirmam que “causa estranheza que, apesar do compromisso assumido por Vossa Excelência, passaram-se mais de cinco meses do envio da representação e sete dias do prazo previsto na última audiência, sem que não tenha havido qualquer ação por parte desta Procuradoria”.

*Com informações do PT na Câmara

você pode gostar também Mais do autor