SÓ O QUE FALTAVA: Procurador agora diz que PT “desestabiliza” quadro político

O MPF (Ministério Público Federal) na segunda instância se posicionou, nesta quinta-feira (9), contra o pedido do PT para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva possa participar de atos de campanha.

No parecer, referente a um agravo apresentado pelo PT no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o procurador regional Mauricio Gotardo Gerum diz que, “tratando-se de preso, é inerente à sua condição a restrição à liberdade”. Em sua opinião, não se deve “ofender o princípio da isonomia, granjeando-lhe benesses que a nenhum outro preso são concedidas”.

Relacionadas

Além do agravo –que já havia sido rejeitado preliminarmente na última segunda-feira (6)– o PT também entrou, na quarta-feira (8), com um mandado de segurança no TRF-4 para que Lula possa participar do debate até “por meio de vídeos previamente gravados”. Ainda não houve resposta sobre essa questão.

Em razão de sua condenação, Lula está inelegível. O PT, porém, mantém a posição de registrar sua candidatura no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 15 de agosto. A Justiça Eleitoral, a partir de então, deverá analisar a situação do ex-presidente.

CLICK POLÍTICA com informações de UOL

você pode gostar também Mais do autor